Terça-feira, 16 de Abril de 2024

Home Mundo Putin amplia combate à espionagem e controle sobre fronteiras russas

Compartilhe esta notícia:

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira (19) o fortalecimento das fronteiras da Rússia. Além disso, o líder do país instruiu os serviços especiais a manter o controle de reuniões de massa e garantir a segurança das pessoas nas regiões da Ucrânia que Moscou reivindica como suas, relataram agências de notícias.

“O trabalho deve ser intensificado por meio dos serviços de fronteira e do Serviço Federal de Segurança (FSB)”, disse Putin, segundo a agência de notícias estatal russa RIA. “E ela (a fronteira) deve ser coberta de forma confiável. Qualquer tentativa de violá-la deve ser frustrada de forma rápida e eficaz usando quaisquer forças e meios que temos à nossa disposição, incluindo unidades de ação móveis e forças especiais.”

Dia dos Serviços de Segurança

Falando no Dia dos Serviços de Segurança, que é amplamente comemorado na Rússia, Putin instruiu as forças a aumentar o controle da sociedade e maximizar seu “uso do potencial operacional, técnico e pessoal” para prevenir riscos vindos do exterior e traidores internos. “Máxima compostura e concentração de forças agora é exigida das agências de contra-espionagem, incluindo inteligência militar”, disse a agência estatal Tass, citando Putin.

“É necessário reprimir severamente as ações dos serviços especiais estrangeiros, identificar rapidamente traidores, espiões e sabotadores”, acrescentou. Ele também disse que é tarefa dos serviços especiais garantir a segurança das pessoas que vivem em regiões da Ucrânia que Moscou reivindicou em setembro como suas — e que Kiev e seus aliados ocidentais chamaram de anexação ilegal.

“É seu dever fazer todo o necessário para garantir ao máximo sua segurança, respeito por seus direitos e liberdades”, disse Putin, prometendo-lhes mais “equipamentos e armas modernas”. Não há final à vista para a invasão da Ucrânia pela Rússia, agora em seu 10º mês. O conflito, o maior da Europa desde a Segunda Guerra Mundial, matou dezenas de milhares de pessoas, expulsou milhões de suas casas e reduziu cidades a ruínas.

Moscou chama sua invasão de “operação especial” para desnazificar e desmilitarizar seu vizinho. Kiev e seus aliados no Ocidente consideram a invasão um ato não provocado de apropriação de terras.

Extremamente complicada

Nove meses após a guerra da Rússia na Ucrânia, o presidente Vladimir Putin admitiu que a situação em quatro territórios ocupados no leste e no sul da Ucrânia é “extremamente complicada”, uma rara janela para os desafios que Moscou enfrenta em áreas que tentou anexar ilegalmente.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Messi e Di María quase são atingidos por cabo em celebração da Argentina
Tenente-coronel Euclides Neto será chefe de gabinete no governo de Eduardo Leite
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde