Domingo, 23 de Junho de 2024

Home Saúde Refluxo pode causar câncer gástrico? Entenda quando o sinal é um alerta

Compartilhe esta notícia:

Apesar do refluxo gastroesofágico ser uma das doenças mais prevalentes do mundo, afetando cerca de 12% a 20% da população, segundo a Sociedade Brasileira de Motilidade Digestiva e Neurogastroenterologia (SBMDN), a condição merece acompanhamento e cuidados específicos.

Geralmente, sensações como azia e queimação podem aparecer depois de exagerarmos nas refeições ou na falta delas, por exemplo, mas, quando a situação é deixada de lado e acontece com frequência, pode resultar na doença de fato.

“O que muitas pessoas não sabem é que quando o refluxo não é tratado, ele pode evoluir para doenças mais graves, como o câncer, esofagites, entre outros”, comenta Renata D’Alpino, oncologista da Oncoclínicas São Paulo.

Pode causar câncer?

O ácido gástrico, quando entra em contato com o esôfago, colabora para o possível aparecimento de doenças, pois causa inflamação e favorece mutações. Geralmente, condições como esofagite podem atuar no desenvolvimento de tumores, mas isso não é uma regra.

“O refluxo crônico pode ter como consequência o esôfago de Barret. Essa condição tende a causar modificações nas células, podendo aumentar em mais de 20 vezes o desenvolvimento de neoplasia”, diz ela.

De acordo com a oncologista, é fundamental que caso o paciente apresente refluxo, a situação seja investigada. “Ele poderá realizar exames como endoscopia, que analisam a condição e possíveis complicações provenientes”, explica.

Apesar de ser mais comum acima dos 55 anos, o câncer gástrico não é raro e também pode acontecer em pessoas mais jovens. O tumor, que tende aparecer no esôfago e estômago, tem como uma das principais hipóteses o desenvolvimento devido a piora na alimentação e outros hábitos de vida.

Como identificar o refluxo

Podendo ser mais ou menos intenso, alguns sinais podem indicar a possibilidade de refluxo, indo além da azia, queimação e retorno dos líquidos. São eles: pigarro, tosse crônica, dor no peito, rouquidão e dor na garganta.

Como aliviar

Por ser crônico, é possível tratar apenas os indicativos que causam a irritação. Segundo Renata D’Alpino, a condição não possui uma causa específica que gera a doença, mas é necessário ficar de olho nos fatores de risco.

“Dietas gordurosas, café, obesidade, tabagismo, medicamentos, estresse e cansaço podem colaborar para o surgimento do refluxo. No entanto, cada caso deve ser analisado individualmente para o melhor tratamento”, explica.

Em casa, o paciente pode adotar alguns cuidados para aliviar o desconforto: “Hábitos como manter a cabeça um pouco mais elevada na hora de dormir, fazer refeições menores, evitar alimentos ácidos e esperar três horas entre as refeições e ir para a cama são medidas importantes”, finaliza a oncologista.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Ministra da Saúde detalha ações para combater avanço de doenças no Rio Grande do Sul após enchentes
Google muda de novo e Chromecast integrado agora se chama Google Cast
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde