Sexta-feira, 20 de Maio de 2022

Home em foco Rússia muda tom, diz que reconhece Zelensky como líder da Ucrânia e irá a reunião desta quinta para discutir cessar-fogo

Compartilhe esta notícia:

Em uma mudança de tom da liderança russa, o chanceler do país, Sergei Lavrov, disse na quarta-feira (2) que reconhece Volodymyr Zelensky como presidente da Ucrânia, e que o fato de ele querer obter “garantias de segurança” nas negociações com a Rússia é um “passo positivo”.

Até agora, o Kremlin vinha pedindo o que chama de “desnazificação” do governo ucraniano e, na semana passada, o presidente Vladimir Putin chegou a incitar os militares ucranianos a derrubarem o governo de Zelensky porque, segundo ele, isso tornaria mais fáceis as negociações entre os dois lados.

“Nossos negociadores estão prontos para a segunda rodada de discussões dessas garantias com representantes ucranianos”, disse Lavrov à emissora Al Jazeera, no mesmo dia em que foi anunciado que a nova reunião acontecerá nesta quinta-feira. O encontro estava marcado inicialmente para a quarta-feira, mas foi adiado ao que tudo indica por questões logísticas.

Lavrov reforçou que “se uma terceira guerra mundial ocorresse, envolveria armas nucleares e seria destrutiva” e afirmou que a Rússia enfrentaria um “perigo real” se Kiev adquirisse armas nucleares.

O principal negociador russo, Vladimir Medinsky, disse que, na reunião desta quinta, seu país discutirá um cessar-fogo com a Ucrânia. Segundo a agência de notícias russa Tass, o Exército está fornecendo um corredor de segurança para a delegação ucraniana. O ponto de encontro fica perto da fronteira entre a Bielorrússia e a Polônia.

Na mesma entrevista à Al Jazeera, Lavrov afirmou que Moscou “continua comprometida com a desmilitarização da Ucrânia” e que deveria haver uma lista de armas específicas que nunca poderiam ser instaladas em território ucraniano. Desde o início da crise, a Rússia exige que Kiev adote um status neutro e abra mão de aderir à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), a aliança militar liderada pelos EUA.

Nunca ficou claro se a exigência de desmilitarização significa que a Ucrânia não poderia ter Forças Armadas ou se poderia manter forças defensivas.

Do lado ucraniano, o governo também confirmou que uma delegação do país está indo para a Bielorrússia para a segunda rodada de negociações. A primeira, na segunda-feira, não teve resultados concretos. “A delegação ucraniana está a caminho do local das negociações”, afirmou em nota a Presidência, sem dar mais detalhes.

A mudança de tom de Moscou acontece no mesmo dia em que o presidente russo, Vladimir Putin, conversou por telefone com dois aliados: Israel e Índia. Segundo um comunicado do Kremlin, Putin e o primeiro-ministro israelense, Naftali Bennett, discutiram a operação militar de Moscou na Ucrânia em uma conversa iniciada pelo lado israelense.

Putin disse a Bennett que levar em conta os interesses de segurança de Moscou estava entre as principais condições para resolver o conflito. Os dois líderes concordaram em continuar os contatos pessoais.

Com o primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, o presidente russo teria tratado da retirada de cidadãos indianos da Ucrânia, segundo a agência de notícias russa Tass. Na semana passada, a Índia se absteve de um projeto de resolução do Conselho de Segurança da ONU, vetado pela Rússia, que condenava as ações de Moscou na Ucrânia.

Na quarta-feira, voltou a se abster em outra resolução que exige a retirada imediata das tropas russas da Ucrânia. O texto “deplora nos termos mais fortes a agressão da Rússia contra a Ucrânia” e exige que a Rússia “cesse imediatamente seu uso da força”.

Um dia antes, Zelensky afirmara que a Rússia precisava parar de bombardear cidades para haver diálogo. “Primeiro precisamos tentar prever se os negociadores ucranianos vão aparecer ou não, vamos torcer para que isso aconteça”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Rússia contratou 400 mercenários para matar presidente ucraniano
União Europeia retira sete bancos russos do sistema Swift
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde