Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home em foco Saiba como funciona o autoteste de saliva aprovado pela Anvisa

Compartilhe esta notícia:

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou na semana passada o primeiro autoteste para Covid-19 que usa a saliva para detectar a presença do vírus. Um segundo autoteste, que faz a coleta pelo cotonete no nariz, também foi aprovado.

Com os novos registros, existem agora 4 autotestes para Covid liberados no Brasil.

O teste de saliva aprovado é o “COVID Ag Oral Detect”, registrado em nome da empresa Eco Diagnóstica Ltda. Ele será fabricado no Brasil e é o segundo teste dessa empresa aprovado no País.

A coleta requer que o usuário cuspa a saliva em um copo. Depois, com o cotonete que vem no kit, a pessoa transfere a quantidade necessária de saliva para um tubo de extração. A agência ressaltou a necessidade de ler as instruções antes de realizar o teste.

O segundo teste aprovado é o “SGTi-flex COVID-19 Ag – AUTOTESTE”, registrado em nome da empresa Kovalent do Brasil Ltda. Ele também será fabricado no Brasil.

Segundo a Anvisa, o produto foi desenvolvido para coleta de amostra por swab nasal (cotonete no nariz), de forma não profunda (nas narinas) e terá embalagens com 1, 2 e 5 testes.

Aprovados

Até agora, existem 4 autotestes aprovados no Brasil:

— “Novel Coronavírus (Covid-19) Autoteste Antígeno”, da empresa CPMH Comércio e Indústria de Produtos Médicos-Hospitalares e Odontológicos (aprovado em 17 de fevereiro);
— “Autoteste COVID Ag Detect”, da empresa Eco Diagnostica Ltda (aprovado em 23 de fevereiro);
— “COVID Ag Oral Detect”, também da Eco Diagnóstica Ltda (aprovado em 25 de fevereiro);
— “SGTi-flex COVID-19 Ag – AUTOTESTE”, da empresa Kovalent do Brasil Ltda (aprovado em 25 de fevereiro).

Para obter o registro, os produtos são avaliados quanto à segurança, ao desempenho e ao atendimento aos requisitos legais exigidos dos autotestes. A Anvisa informou que um dos principais pontos de análise é que as instruções de uso estejam em linguagem simples, que permita a qualquer pessoa entender as orientações e utilizar o teste.

Autoteste

O autoteste é parecido com os testes rápidos, feitos em farmácias, mas pode ser feito pela própria pessoa que tem os sintomas, em casa. O kit vem com um dispositivo de teste, tampão de extração, filtro e o swab – uma espécie de cotonete usado para a coleta nasal, a mais comum.

Assim como os testes de antígeno, o autoteste detecta o antígeno viral, uma estrutura do vírus que faz com que o corpo produza uma resposta imunológica contra ele – os anticorpos.

Se o teste dá positivo, significa que a pessoa está infectada no momento do teste – e pode infectar outras.

Segundo a própria Anvisa, é indicado utilizar o autoteste “entre o 1º e o 7º dia do início de sintomas como febre, tosse, dor de garganta, coriza (popularmente conhecida como nariz escorrendo), dores de cabeça e no corpo”.

“Caso você não tenha sintomas, mas tiver tido contato com alguém que testou positivo, aguarde cinco antes de usar o autoteste. O autoteste não define um diagnóstico, o qual deve ser realizado por um profissional de saúde. Seu caráter é orientativo, ou seja, não se trata de um atestado médico”, informou a Anvisa.

A Anvisa também lembrou que, independentemente do resultado do teste, o uso de máscaras, a vacinação e o distanciamento físico são medidas que diminuem as chances de transmissão do coronavírus.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

União Europeia retira sete bancos russos do sistema Swift
Empresa que não cumprir lei das Fake News pode ter serviço bloqueado
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Bom Dia