Sábado, 21 de Maio de 2022

Home em foco Saiba por que Putin está se aproximando da América Latina

Compartilhe esta notícia:

Nos últimos dias, a turbulenta relação entre Rússia e Estados Unidos envolveu um terceiro ator: a América Latina. A aproximação entre o presidente russo, Vladimir Putin, e a região ficou clara neste mês de fevereiro com a visita a Moscou dos presidentes do Brasil, Jair Bolsonaro, e da Argentina, Alberto Fernández.

Enquanto Bolsonaro definiu a relação do Brasil com a Rússia como “mais que um casamento perfeito”, Fernández disse a Putin que a Argentina “deve ser a porta de entrada da Rússia na América Latina”. Políticos com perfis diferentes, Bolsonaro e Fernández sinalizaram que o “sentimento” é correspondido.

“É mais que um casamento perfeito que eu levo para o Brasil. E senti também, pela fisionomia, pelo que foi tratado até fora da agenda oficial, com autoridades russas, em especial com o presidente Putin, que é esse o sentimento que ele tem também”, disse Bolsonaro.

Até recentemente, a relação do Kremlin com a América Latina estava centrada em países liderados por políticos rejeitados pela Casa Branca: Venezuela, Nicarágua e Cuba, além de uma aproximação crescente com a Bolívia. Nesta semana, em meio à tensão entre a Rússia e a Ucrânia, que é acompanhada mundialmente e especialmente pelos Estados Unidos, o vice-primeiro-ministro da Rússia, Yuri Borisov, visitou Cuba e Venezuela.

Putin ligou pessoalmente para os colegas cubano, venezuelano e nicaraguense — com este último, não falava por telefone desde 2014.

O presidente Nicolás Maduro ratificou que o sentimento é correspondido. “A Rússia conta com todo o apoio da Venezuela para dissipar as ameaças da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte, aliança militar ocidental) e de todos esses países para que siga sendo um território de paz”, disse.

A relação dos russos com os venezuelanos envolve o petróleo e a mineração venezuelana, além da venda de armas russas para a Venezuela. A estatal PDVSA, que é um pilar fundamental para os planos políticos venezuelanos, mudou, recentemente, sua sede de Lisboa para Moscou, como informaram as agências internacionais de notícias.

No caso dos cubanos, que foram tão dependentes dos recursos da ex-União Soviética e sentem até hoje a falta daquele respaldo financeiro, a aproximação tem várias motivações.

Segundo o jornal oficial Granma, Cuba e Rússia mantêm “diálogo político no mais alto nível”, através de “um fluido intercâmbio de visitas”, com aprofundamento dessa relação durante a pandemia.

Como ocorreu com Argentina, Bolívia e Paraguai, o governo Putin enviou carregamentos da vacina Sputnik V para Cuba — o imunizante foi o primeiro a chegar nestes países.

Ainda segundo a publicação, há uma embarcação prestes a zarpar para a ilha com carregamento de trigo dos russos para os cubanos.

Crescente

O leque de relações dos russos com países na região tem aumentado e poderia crescer ainda mais com a chegada de novos políticos ao poder, segundo analistas da Rússia e latino-americanos ouvidos pela BBC News Brasil.

No dia 11 de março, o presidente eleito do Chile, Gabriel Boric — um político de esquerda — será empossado. Em maio, há eleições presidenciais da Colômbia — vista como o “principal aliado” dos Estados Unidos, seja pela já tradicional aliança para o combate às drogas ou por ser vizinha da Venezuela — e, em outubro, no Brasil.

De Cali, na Colômbia, o russo Vladimir Rouvinski, professor de Relações Internacionais e Ciências Políticas da Universidade Icesi e especialista na relação entre a Rússia e a América Latina, contextualiza a relação atual de Putin com líderes latino-americanos.

“A Rússia busca uma reciprocidade simbólica com líderes da América Latina, mirando principalmente os Estados Unidos. Putin está querendo dizer aos americanos: ‘Olha, não estou sozinho, e não se metam com a Ucrânia, com nosso território’. Putin quer mostrar que não está isolado”, diz Rouvinski, que nasceu na Sibéria, estudou no Japão e mora na Colômbia desde o fim dos anos 90.

Mas por que Fernández, da Argentina, o chileno Boric e o colombiano Gustavo Petro, da frente de esquerda Pacto Histórico, que lidera as pesquisas de intenção de votos, e até o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva — pré-candidato às eleições presidenciais do Brasil deste ano, tão diferentes de Putin, poderiam também receber aceno de Moscou?

Fernández, segundo analistas argentinos, busca reduzir a dependência dos Estados Unidos, do qual necessita por seu acordo bilionário com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

E os demais? “Apesar das distâncias ideológicas, o novo governo do Chile poderia estabelecer uma relação mais próxima com a Rússia, que há muito tempo tenta essa aproximação com nosso país. E Boric poderia ter essa maior aproximação, apesar do que pensem os Estados Unidos”, diz Guillermo Holzmann, professor de ciências políticas da Universidade de Valparaiso.

Na opinião de Rouvinski, governos como os de Petro e Lula, se eleitos, seriam “multipolares”. “Um discurso multipolar que os russos também adoram”, diz.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Pesquisas comprovam importância da vacinação de grávidas contra covid para proteção dos bebês
Governo brasileiro diz que “lamenta” teor de reação da Casa Branca a Bolsonaro na Rússia
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News