Segunda-feira, 22 de Abril de 2024

Home Você viu? Saiba se é possível salvar o Natal após as brigas políticas, que geram conflitos e rupturas familiares

Compartilhe esta notícia:

Com a chegada da principal celebração de fim de ano, a pergunta está no ar: é possível salvar o Natal após as rupturas familiares provocadas pela polarização política?

Outro questionamento ainda mais complexo: como pacificar os ânimos e resgatar relacionamentos essenciais entres irmãos, pais e filhos, tios e sobrinhos, amigos e até casais abalados por diferenças ideológicas que estão provocando adoecimento mental em grande parcela da população?

“Eu penso que é possível salvar o Natal. É a mensagem natalina, a convivência, o diálogo e a pacificação. Jesus foi o líder do consenso”, afirma o coordenador do setor psiquiátrico do Hospital de Base de Rio Preto, Gerardo Maria de Araújo Filho.

Para ele, esse é o ponto de partida para um grande desafio individual e para os terapeutas e psicanalistas que lidam com os efeitos da radicalização política na saúde mental da população nos dias de hoje.

Ofensas

“Desde que mudei meu posicionamento político do da minha família, havia uma divergência de ideias, mas nada grave. Neste ano, porém, essa diferença partiu para o campo da radicalização. Como única integrante familiar a ter outra opinião, eu me senti massacrada. Com as ofensas, somadas às pressões de amigos que tentaram mudar o meu voto, eu precisei voltar à medicação que tomei na pandemia. Agora, espero recuperar o diálogo de antes para continuar”, Luciana (nome fictício), 36 anos, empresária.

A tensão eleitoral surgiu antes mesmo que as pessoas conseguissem superar todos os traumas emocionais da pandemia da covid, fazendo com que parte da sociedade brasileira passe por um novo “drama”: recuperar a saúde mental desgastada pela polarização política. Dilema social que acabou com amizades, minou relacionamentos afetivos e quebrou laços familiares. Rupturas que começaram com bloqueios nas redes sociais, partiram para brigas em almoços e jantares e acabaram em fraturas doloridas.

O impasse é marcado pela falta de debate de ideias, segundo Araújo Filho, com “cada um encastelado nas suas ideias, sem abrir para o contraditório para pensar: ‘Será que o outro está certo?’ E sem diálogo, aparece o sofrimento mental”, diz o médico.

Isolamento em grupos que, na análise da psicóloga cognitivo-comportamental de Rio Preto Mara Lúcia Madureira, é o primeiro problema de saúde mental da polarização. “As pessoas ficam imersas em grupos fechados, sendo bombardeadas o tempo todo por mensagens, na maioria das vezes fake news e mensagens alarmistas”, afirmou. “A partir de falsas profecias de catástrofes, isso vai gerando uma ansiedade muito grande e essas pessoas passam a querer combater quem defende o adversário”, acrescentou.

Tribos

Para Araújo Filho, que também é chefe do Departamento de Ciências Neurológicas, Psiquiatria e Psicologia Médica da Faculdade de Medicina de Rio Preto (Famerp), essa radicalização reduz a sociedade à era tribal. “Eu fico em grupos que pensam iguais a mim e que vão reproduzir as verdades que eu acho que são verdades, enquanto que só o debate é que nos faz crescer como pessoa e como sociedade”, disse.

Danos

E não são irrelevantes os danos dos conflitos da polarização que chegam nos consultórios, segundo a psicóloga clínica Ana Flávia da Silva Ferreira Zaura. “Podem afetar o indivíduo emocionalmente, fisicamente e comprometer o seu bem-estar físico, emocional e social”, afirmou.

Os impactos são mais graves, segundo Ana Flávia, quando comprometem os laços familiares. “Pois, além de conviver com os conflitos, é preciso conviver. E no meio de todo esse cenário, os prejuízos mais alarmantes são as crises de ansiedade, cansaço emocional, rupturas de relacionamentos e distanciamento involuntário”, disse.

Natal

A mensagem de convivência, diálogo e pacificação do Natal vem ao encontro da pacificação desses conflitos, como colocou Araújo Filho. “Jesus foi o líder do consenso. Vamos separar as coisas, entender política como um debate de ideias e ser menos passional. Uma coisa são as ideias outra coisa são as pessoas”, disse.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Você viu?

Veja as melhores cidades para viver na Europa e na América do Norte
Relutância masculina em procurar médico adia tratamentos e amplia riscos à saúde
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News