Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Economia Salário mínimo de 1.212 reais já está em vigor para 2022

Compartilhe esta notícia:

O presidente Jair Bolsonaro anunciou recentemente que o salário mínimo em 2022 é de R$ 1.212. O novo valor já entrou em vigor neste sábado (1º). O novo patamar de pagamento ultrapassa em R$ 112 o salário mínimo de 2021 e é maior que o previsto anteriormente para o Orçamento deste ano.

Na proposta original enviada ao Congresso em agosto, o governo projetou o valor do piso salarial em R$ 1.169, mas a inflação acelerou no segundo semestre com a alta nas contas de luz e nos preços dos combustíveis.

“A partir de primeiro de janeiro o novo valor do salário mínimo (será de) R$ 1.212”, afirmou o presidente, sem dar mais explicações.

O salário mínimo de R$ 1.212 consta em uma medida provisória (MP), que foi publicada no Diário Oficial da União no último dia de 2021. A MP entrou em vigor imediatamente, mas terá que ser aprovada pelo Congresso Nacional.

O valor definitivo está sendo anunciado agora porque o governo aguardava mais informações para fechar a previsão para o INPC de dezembro do ano passado. O IBGE só deve anunciar o INPC fechado de 2021 neste início de janeiro.

Caso haja alguma defasagem, o governo fará a correção quando for anunciar a nova previsão do salário mínimo de 2023.

O governo não pode esperar porque muitas empresas precisavam acertar as contas dos trabalhadores a partir de 1º de janeiro. Já para corrigir o valor dos benefícios do INSS, será utilizado o INPC consolidado. O percentual precisa ser definido pelo IBGE até 12 de janeiro para que tenha tempo hábil para rodar a folha.

Desoneração

No mesmo dia, Bolsonaro sancionou a prorrogação até o fim de 2023 da desoneração da folha de pagamento das empresas dos 17 setores da economia que mais geram empregos no País. O projeto que autorizou a prorrogação foi aprovado há três semanas pelo Senado e seguiu para análise do presidente da República. O texto já havia passado pela Câmara dos Deputados.

A desoneração permite às empresas substituir a contribuição previdenciária, de 20% sobre os salários dos empregados, por uma alíquota sobre a receita bruta, que varia de 1% a 4,5%.

O texto aprovado no Congresso abrange os setores de indústria têxtil, calçados, máquinas e equipamentos, proteína animal, construção civil, comunicação e transporte rodoviário, entre outros.

Em texto divulgado à imprensa neste sábado (1º), o governo informou que não será necessária nova compensação fiscal para bancar a desoneração. Isso porque, conforme entendimento do Tribunal de Contas da União (TCU), conforme o próprio governo, trata-se de benefício fiscal já existente.

“Para viabilizar a medida, o Executivo precisou editar uma medida provisória revogando a necessidade de a União compensar, por transferência orçamentária, o valor da desoneração para o RGPS, o que acabava fazendo que a mesma despesa fosse computada duas vezes dentro do orçamento. Com a correção na metodologia antiga, não haverá criação de nova despesa orçamentária, o que tornou possível sancionar a prorrogação da desoneração com os recursos já existentes no orçamento”, acrescentou o governo.

Até 2023

Uma lei de 1991 determina que as empresas paguem, de forma mensal, um valor que corresponde a 20% sobre todas as remunerações que elas desembolsam aos seus empregados com ou sem carteira assinada.

Esse dinheiro que o governo arrecada vai para as áreas da seguridade social – previdência, assistência social e saúde.

A lei sancionada permite que as empresas ficam autorizadas a substituir esse pagamento por uma tributação sobre a receita bruta, com alíquota entre 1% e 4,5%.

Essa desoneração acabaria em 2020, e o Congresso Nacional aprovou a prorrogação até o fim de 2021. Bolsonaro chegou a vetar a prorrogação, mas o Congresso Nacional derrubou o veto e, na prática, estendeu a desoneração até o fim de 2021.

Cabe aos parlamentares analisar vetos presidenciais a trechos de projetos aprovados pelos legislativos. Deputados e senadores podem manter ou derrubar a decisão do presidente da República.

Com a publicação da sanção no “Diário Oficial da União”, a medida vale até dezembro de 2023.

Setores

Segundo a Câmara dos Deputados, os setores contemplados pela desoneração da folha são:

— calçados;
— call center;
— comunicação;
— confecção/vestuário;
— construção civil;
— empresas de construção e obras de infraestrutura;
— couro;
— fabricação de veículos e carroçarias;
— máquinas e equipamentos;
— proteína animal;
— têxtil;
— tecnologia da informação;
— tecnologia de comunicação;
— projeto de circuitos integrados;
— transporte metroferroviário de passageiros;
— transporte rodoviário coletivo;
— transporte rodoviário de cargas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Bolsonaro sanciona lei que permite que contas de pessoas físicas em dólar sejam criadas no País
Saldo de 15 bilhões de reais nas contas do governo federal, Estados e municípios reflete a inflação e a maior arrecadação de impostos
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa