Terça-feira, 25 de Junho de 2024

Home em foco Senado aprova auditoria do Tribunal de Contas da União no Ministério da Educação após denúncias de corrupção

Compartilhe esta notícia:

A Comissão de Transparência, Governança, Fiscalização e Controle e Defesa do Consumidor (CTFC) aprovou, nessa terça-feira (5), a Proposta de Fiscalização e Controle (PFS) 1/2019, que solicita ao Tribunal de Contas da União (TCU) auditoria na área de Planejamento e Orçamento do Ministério da Educação (MEC) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE). O objetivo é fiscalizar se os cortes nos repasses a universidades pelo MEC e aos entes subnacionais pelo FNDE são necessários.

De autoria da senadora Leila Barros (PDT-DF), o objetivo é avaliar os mecanismos de governança orçamentária, com a finalidade de verificar os procedimentos, critérios e mecanismos de responsabilização sobre as decisões que envolvem a programação financeira e limitação de empenho de dois tipos de recursos a serem repassados.

O primeiro são os recursos do MEC repassados às instituições públicas federais de ensino superior, com ênfase no disposto no artigo 207 da Constituição Federal. O segundo é o dinheiro do FNDE destinado aos entes subnacionais e a instituições não-governamentais de educação.

De acordo com a justificação da proposta, a sociedade brasileira havia sido surpreendida em 30 de abril de 2019, com a notícia, divulgada pelo Ministro da Educação, de que três universidades federais teriam cortes orçamentários da ordem de 30%, sob a alegação de ocorrência de “balbúrdia” no âmbito das instituições afetadas. Após repercussão negativa do anúncio, o Ministério corrigiu com a informação de que o corte de 30% atingiria todas as instituições federais de educação superior (IFES). Ainda assim, o corte restou superior ao contingenciamento de 21% definido no Decreto 9.741, de 2019.

Nesse contexto, Leila Barros pondera a necessidade de clareza quanto à razoabilidade da decisão proferida pelo MEC, afirmando ser imprescindível, para tanto, a realização de fiscalização específica para avaliar a adequação dos critérios e dos mecanismos de governança orçamentária adotados pelo Ministério e pelo FNDE.

Cortes na Educação

O relator na CTFC, senador Rodrigo Cunha (PSDB-AL), foi favorável ao pedido de auditoria. O parlamentar disse que “em momentos como este que estamos vivendo, se justifica cada vez mais nossa função de fiscalizador”, e que a solicitação para que a comissão atue diretamente em ações de fiscalização junto ao ministério da educação se faz necessário.

“É de se cogitar que a decisão de contingenciamento na área educacional, por menor que seja, tem implicação direta na qualidade do ensino e no planejamento educacional como um todo, afetando as perspectivas de realização de objetivos de médio e longo prazo do País. De fato, os contingenciamentos operados ao longo deste exercício impactaram negativamente em especial a educação pública, mas também a educação privada, em todos os níveis, da creche à pós-graduação em nível de doutorado. E isso sem falar na ameaça de interrupção de atividades das instituições de ensino, especialmente no âmbito das universidades, que já vinham operando com orçamento crítico”, afirmou o parlamentar em seu relatório.

Ele lembra a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB- Lei 9.394, de 1996), segundo a qual “caberá à União assegurar, anualmente, em seu Orçamento Geral, recursos suficientes para manutenção e desenvolvimento das instituições de educação superior por ela mantidas”. E que, mesmo com a pandemia, em que muitas instituições de ensino deram aulas remotamente, ainda houve despesas fixas e até crescentes nas instituições de ensino.

Rodrigo Cunha propôs um procedimento para a avaliação, que teria quatro passos: análise do arcabouço legal relacionado às competências e incumbências do MEC e do FNDE na definição das condições e dos limites do corte de recursos e na garantia de funcionamentos das instituições de ensino; estimativa dos impactos do corte nas políticas educacionais; identificação de eventual desvio de finalidade nas decisões; e identificação de medidas mitigadoras das irregularidades ou impropriedades porventura verificadas.

Para a execução, ele propôs que o Congresso adote o seguinte procedimento: solicitar a auditoria ao TCU referente aos anos de 2019 e 2020; realizar as diligências ou outros procedimentos de instrução; e elaborar o relatório final da PFS.

Fiscalização

O artigo 49 da Constituição Federal (CF) prevê como competência exclusiva do Congresso Nacional fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qualquer de suas Casas, os atos do Poder Executivo, incluídos os da administração indireta. Ainda na CF, o artigo 70 estabelece que “a fiscalização contábil, financeira, orçamentária, operacional e patrimonial da União e das entidades da administração direta e indireta, quanto à legalidade, legitimidade, economicidade, aplicação das subvenções e renúncia de receitas, será exercida pelo Congresso Nacional, mediante controle externo, e pelo sistema de controle interno de cada Poder”. Já o artigo 71 prevê que esse controle externo, a cargo do Congresso Nacional, será exercido com o auxílio do TCU.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Supremo desmente notícia falsa atribuída ao ministro Luis Roberto Barroso sobre eleição de Bolsonaro
Acionistas minoritários iniciam movimento para suspender assembleia da Petrobras
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias