Quarta-feira, 17 de Julho de 2024

Home Política Supremo marca julgamento de correção dos valores do FGTS para 12 de junho

Compartilhe esta notícia:

O Supremo Tribunal Federal (STF) marcou para 12 de junho a continuação do julgamento da Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5.090, que trata da correção monetária dos saldos do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

A Advocacia-Geral da União (AGU) enviou manifestação ao STF, em abril, com uma proposta de consenso entre o governo e as entidades sindicais a respeito da correção dos saldos do FGTS.

O julgamento foi suspenso em novembro do ano passado, pelo ministro Cristiano Zanin, após o governo pedir o adiamento da análise para buscar um consenso com as centrais sindicais. No julgamento, os ministros poderão decidir pela inconstitucionalidade do uso da Taxa Referencial (TR) na correção monetária dos valores das contas do FGTS, o que ocorre desde o início dos anos 1990.

Atualmente, o FGTS tem correção de 3% ao ano mais a TR. O partido Solidariedade, que propôs a ADI 5.090, argumenta que, desde 1999, esse índice não é suficiente para repor o poder aquisitivo dos trabalhadores — ou seja, fica abaixo da inflação. A ação sugere que esse cálculo de atualização seja substituído por algum índice inflacionário, como, por exemplo, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Até o momento, há três votos para que a correção seja no mínimo igual à da caderneta de poupança a partir de 2025. O governo estima impacto de R$ 31 bilhões em 15 anos com a correção monetária igual à poupança. A rentabilidade da poupança é de 6,17% ao ano + a variação da TR.

O presidente do Supremo, Luís Roberto Barroso, que é relator da ação, votou para o resultado do julgamento valer apenas para o futuro, o que diminui consideravelmente o rombo para os cofres públicos. A AGU alega impacto de R$ 295 bilhões para a União se o Supremo determinar o pagamento dos valores atualizados desde 1999. Barroso foi acompanhado pelo ministro André Mendonça.

“Quanto às perdas injustas alegadas do passado, que venham a ser demonstradas, penso que devam ser equacionadas pela via legislativa ou negociação coletiva”, defendeu Barroso.

O julgamento começou em abril do ano passado, quando Barroso defendeu em seu voto que os valores do fundo sejam remunerados com rendimento no mínimo igual ao da caderneta de poupança.

 

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Política

Governador Eduardo Leite reúne bancada federal gaúcha para discutir demandas à União
Parada do Orgulho LGBT+ reúne mais de 70 mil pessoas em São Paulo, calcula USP
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias