Quinta-feira, 02 de Dezembro de 2021

Home em foco Tanto ex-membros da Operação Lava-Jato como políticos que foram alvo da operação pretendem disputar as eleições de 2022

Compartilhe esta notícia:

Os embates judiciais entre procuradores, juízes e réus da Operação Lava-Jato que deram o tom da política brasileira nos últimos sete anos vão migrar do tribunal para as urnas nas próximas eleições. De um lado, ex-procuradores do Ministério Público Federal (MPF) e o ex-juiz Sergio Moro; do outro, nomes conhecidos da política, investigados ou até condenados por corrupção, que se enfrentarão na busca por votos. Todos terão o desafio de se reposicionar eleitoralmente e construir uma narrativa própria sobre o período de investigação.

Enquanto os representantes da Lava-Jato estreiam nas urnas, nomes conhecidos da operação, como os ex-senadores Romero Jucá (MDB-RR) e Eunício Oliveira (MDB-CE), e os ex-governadores Fernando Pimentel (PT), de Minas, e Marconi Perillo (PSDB), de Goiás, planejam retornar à vida pública após serem alvos de acusações.

A eleição de 2018 deixou de fora políticos experientes como Eunício e Jucá. Os dois perderam as disputas ao Senado, mas mantiveram a influência nos diretórios do MDB nos estados. Eunício prepara a sua volta como deputado federal, segundo interlocutores do emedebista.

Para o procurador aposentado da Lava-Jato Carlos Fernando dos Santos Lima, a candidatura de integrantes da força-tarefa é resultado da tentativa de deslegitimação por parte da classe política.

“Como aconteceu na operação Mãos Limpas, a reação da classe política de deslegitimação das investigações leva a uma situação em que aqueles que querem fazer algo positivo buscam um caminho na política. Conheço Moro e (Deltan) Dallagnol (ex-coordenador da força-tarefa de Curitiba) há 20 anos e sabia que a política não fazia parte do horizonte de ambos.”

Carlos Fernando atua atualmente como advogado. Entrou no MPF em 1995 e era o mais experiente integrante da força-tarefa da Lava-Jato em Curitiba. Além de Moro, disposto a se lançar ao Planalto, e Dallagnol, que avalia uma candidatura à Câmara dos Deputados, lideranças do Podemos querem o procurador aposentado como candidato a deputado federal no Paraná. Ele desconversa e afirma que a política não é uma prioridade no momento.

O cientista político Malco Braga Camargos, professor da PUC Minas, avalia que as candidaturas de Moro, Dallagnol e de outros membros de operações de combate à corrupção devem disputar o eleitorado do atual presidente Jair Bolsonaro e daqueles que se desiludiram com o atual mandatário desde a última eleição. Mas ele avalia que o próximo pleito não terá como foco a narrativa de combate à corrupção.

“Na eleição passada, os integrantes da Lava-Jato teriam mais chances de ser eleitos do que agora, dado que eram protagonistas da discussão política daquela época. Teremos uma polarização exacerbada, com pouco espaço para uma alternativa. O debate entre Moro e Lula poderá fazer com que esse discurso se dê no âmbito nacional, mas as eleições proporcionais e aos governos deverão seguir outra lógica.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Em Dubai, ministro da Economia Paulo Guedes diz que Brasil busca “petrodólares” para investimentos no país
Força Aérea Brasileira não tem como comprar todos os aviões da Embraer, diz Bolsonaro
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada