Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home Saúde Vacina de DNA contra zika apresenta bons resultados em testes com camundongos

Compartilhe esta notícia:

Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) e da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) de Pernambuco estão desenvolvendo uma vacina contra o vírus zika. Nos testes com camundongos a formulação se mostrou eficaz, induzindo a resposta imune contra o patógeno e protegendo os roedores da infecção. Os resultados foram divulgados na revista Frontiers in Immunology.

“Geralmente, quando se fala em vacina, pensamos na inoculação de vírus atenuado ou inativado. As vacinas de DNA são uma tecnologia mais avançada, que evoluiu ao longo dos últimos 30 anos e se tornou uma plataforma terapêutica poderosa. Nesse trabalho desenhamos quatro formulações de vacina de DNA que codificam parte do complexo proteico que recobre externamente o zika. E selecionamos a que se mostrou mais eficaz”, relata Maria Sato, professora da Faculdade de Medicina (FM) da USP e autora correspondente do artigo.

Além de mais avançadas tecnologicamente, as vacinas de DNA tendem a ser mais baratas e potencialmente mais eficientes do que as feitas com vírus inativado ou atenuado. “É uma tecnologia de baixo custo e relativamente fácil de trabalhar, pois permite desenhar uma formulação vacinal a partir da escolha das partes mais importantes do vírus e adicionar substâncias [adjuvantes] que potencializem a resposta imune. No entanto, atingir uma imunogenicidade [resposta vacinal] robusta é um desafio para vacinas gênicas”, explica Franciane Teixeira, primeira autora do estudo, conduzido durante seu doutorado na FM-USP.

A pesquisa é apoiada pela Fapesp por meio de dois projetos. Também recebeu financiamento da Facepe (Fundação de Amparo à Ciência e Tecnologia do Estado de Pernambuco), do CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), da Fundação Oswaldo Cruz e do programa da União Europeia Horizon 2020.

Vacina de DNA

Com auxílio de técnicas de biologia molecular, os pesquisadores selecionaram trechos do genoma do vírus zika que codificam parte do complexo proteico que recobre externamente o vírus: a proteína pré-membrana (prM) e a proteína envelope (E). Além disso, eles fizeram a deleção de partes específicas do envelope viral.

Para que permanecesse estável, a sequência gênica selecionada foi inserida em uma estrutura denominada plasmídeo – uma molécula circular de DNA obtida de uma bactéria que não causa doença em humanos e que, nesse caso, funciona como uma fábrica de proteínas.

Quando a formulação vacinal é inoculada, a estrutura formada pelo plasmídeo (que corresponde à vacina de DNA em si) adentra o núcleo das células do organismo imunizado. Lá dentro é decifrado o código da sequência vacinal e passam a ser produzidas proteínas iguais às presentes na estrutura do zika. Isso faz com que as células de defesa desse mesmo organismo identifiquem as proteínas como se fossem o próprio vírus, passando então a produzir anticorpos que neutralizam o patógeno e a desencadear outros mecanismos que conferem proteção.

“Vale ressaltar que, assim como as vacinas de mRNA [RNA mensageiro], como as da Pfizer e da Moderna contra a Covid19, as vacinas de DNA não alteram o código genético dos imunizados, não criam uma nova espécie, nem causam doenças autoimunes. São tecnologias seguras, mas que sofreram com uma enxurrada de fake news e desinformação”, afirma Isabelle Viana, pesquisadora da Fiocruz Pernambuco e coorientadora de Teixeira.

“Somos resultado de bilhões de anos de evolução, com interações constantes com outros DNAs, como acontece quando somos infectados por um patógeno, por exemplo”, completa a pesquisadora.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Terremoto de magnitude 4,8 atinge região metropolitana de Nova York
Justiça brasileira confirma condenação de auxiliar de time peruano por racismo contra torcedores do Corinthians
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada