Domingo, 28 de Novembro de 2021

Home Mundo Vacina portuguesa contra a covid é desenvolvida para ser ingerida em iogurte e suco

Compartilhe esta notícia:

Uma equipe de cientistas do Instituto Politécnico do Porto (IPP), em Portugal, está desenvolvendo uma vacina comestível contra a covid-19. O imunizante poderia ser ingerido em formato de iogurte ou suco de frutas.

A ideia, que surgiu ainda no início da pandemia, começou a avançar há cerca de seis meses. Prestes a finalizarem os ensaios in vitro, os cientistas planejam começar em breve os testes em animais, entre eles ratos, peixeis e uma espécie pequena de minhoca.

Segundo o biólogo Rúben Fernandes, um dos responsáveis pelo Laboratório de Biotecnologia Médica e Industrial (LaBMI do IPP), a particularidade do imunizante é ter por base plantas de frutos e probióticos geneticamente modificados – micro-organismos vivos benéficos à saúde humana. O pesquisador afirmou à agência Lusa que o projeto é “completamente inovador em Portugal”.

O objetivo do projeto, de acordo com a equipe, é que a vacina chegue facilmente ao usuário final. Os cientistas apontam que os imunizantes que estão sendo aplicados atualmente no mundo estimulam a neutralização do coronavírus, enquanto o que está em desenvolvimento teria outra propriedade visando a imunidade.

“Ambos são produtos preventivos, mas, neste caso, a vacina, vou dizer convencional, neutraliza uma infecção e as vacinas comestíveis têm a propriedade de poderem potenciar as outras vacinas comuns”, disse Fernandes à Lusa.

A expectativa dos pesquisadores é viabilizar a vacina entre seis meses e um ano, se usados apenas os probióticos. No caso dos frutos, a tendência é que demore mais, já que as plantas precisam crescer para que possam ser usados na indústria e transformados em suco.

Embora o foco seja na covid-19, cientistas acreditam que, no futuro, a vacina possa interessar também para prevenção de outras doenças infecciosas.

Pfizer

A farmacêutica Pfizer entrou nesta sexta-feira (12) com o pedido de autorização na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para que a vacina contra a covid-19 possa ser aplicada em crianças com idades entre 5 e 11 anos.

“De acordo com o pedido da Pfizer, a dosagem da vacina para a faixa etária será ajustada e menor que aquela utilizada por maiores de 12 anos. Dessa forma, a proposta é ter frascos diferentes, com dosagem específica para cada grupo (maiores ou menores de 12 anos). Segundo a empresa, os frascos serão diferenciados pela cor”, informou a Anvisa em nota.

A partir de agora, a reguladora brasileira irá fazer uma análise técnica sobre o assunto e terá o prazo de 30 dias para a avaliação do pedido. A vacina da Pfizer está registrada no Brasil desde 23 de fevereiro deste ano para pessoas com mais de 16 anos e, para a faixa etária de 12 a 15 anos, desde 11 de junho.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Mais de 3 milhões de crianças correm risco de desnutrição no Afeganistão, diz a Organização Mundial da Saúde
Covid volta a assustar a Europa: Holanda é o primeiro país do continente a retomar quarentena
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde