Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Home Você viu? Victoria’s Secret: as revelações de documentário sobre lado sombrio da marca

Compartilhe esta notícia:

Um anjo recém-chegado do céu bate as asas em uma série de piruetas antes de pousar com uma explosão azul, em um espetáculo mais parecido com o Cirque du Soleil do que com um show de roupas íntimas.

Da luz ofuscante surge a modelo brasileira Adriana Lima, usando um sutiã push-up metálico e meias de látex rosa até a virilha, seguida por sua compatriota Gisele Bündchen, a modelo mais bem paga do momento, em um berrante triquíni amarelo.

Sentados na primeira fila estão os músicos Sean Combs – mais conhecidos como Puff Daddy ou P. Diddy –, Pharrell Williams, o ator Chris North, que faz o Mr. Big na série Sex and the City, o então magnata imobiliário Donald Trump e sua namorada Melania Knauss.

Estamos em 2003 e ninguém na multidão heterogênea queria perder o nono desfile anual da Victoria’s Secret, a marca de lingerie mais celebrada de todos os tempos.

Depois de uma performance aplaudida de Sting e Mary J. Blige, a última da comitiva de manequins com pernas quilométricas e tangas minúsculas a aparecer no palco é a alemã Heidi Klum.

Encarregada de encerrar o desfile de 40 minutos, ela desfila pela passarela vestida com um conjunto cravejado de diamantes e rendas avaliado em US$ 11 milhões e asas brancas de quatro metros e meio de altura.

Era assim que a empresa se parecia em seu apogeu, quando ano após ano batia recordes de lucro e ditava a tendência do que era sexy e do que não era, como o fenômeno cultural inevitável que se tornara. No entanto, nem tudo foi glitter, e seu status no olimpo do varejo não durou muito. Da escuridão por trás da marca e sua queda retumbante, ainda mais espetacular do que sua ascensão, está “Victoria’s Secret: Angels and Demons”, uma série de documentários em três partes dirigida por Matt Tyrnauer.

Ex-editor da revista Vanity Fair e que já havia dirigido documentários sobre o Studio 54 e sobre o designer Valentino, ele sabia que havia encontrado um tema para um novo trabalho quando em 2019 soube que várias modelos estavam se rebelando contra a empresa nas redes sociais.

“Elas estavam mordendo a mão que as alimentava”, disse o diretor ao jornal britânico The Guardian. “Gosto de contar histórias sobre mundos e sistemas fechados e pensei que havia algo lá.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Você viu?

Billboard: Britney Spears volta ao top 10 após uma década com canção em parceria com Elton John
Armageddon Time: drama com Anthony Hopkins e Anne Hathaway ganha trailer
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde