Sexta-feira, 24 de Maio de 2024

Home Economia Você sabia? É possível investir em Wall Street com corretora a partir do Brasil

Compartilhe esta notícia:

Depois de dois anos de um movimento acelerado de consolidação no mercado de plataformas de investimento no Brasil, o setor se voltou aos Estados Unidos. Mas por que as instituições financeiras iniciaram uma corrida para oferecer aos clientes opções de investimento direto fora do Brasil em um momento em que a taxa de juros tornou a renda fixa super atrativa?

A resposta rápida é que o movimento começou já há algum tempo, mas só ficou bastante evidente com a compra da Avenue, corretora brasileira com sede em Miami, pelo Itaú Unibanco, em seu maior movimento desde a aquisição de metade da XP, de Guilherme Benchimol, há cinco anos, mas cujo divórcio se concretizou mais recentemente.

Na verdade, mesmo que o cenário de juros tire o ímpeto do investidor de se arriscar em Bolsa de Valores, a visão de especialistas é de que uma alocação de parte da reserva fora do País e em dólar será a cada dia mais necessária, pela diversificação dos investimentos, o que ajuda a proteger o patrimônio.

Do lado dos bancos e plataformas, prover acesso direto aos ativos nos EUA é dado como um ponto fundamental para um novo ciclo de crescimento do setor, algo que já poderá ter início com um início da queda dos juros, prevista para meados de 2023, dizem especialistas.

O passo do Itaú foi o mais relevante nessa direção, mas não o primeiro. Antes, BTG Pactual, XP e Inter já vinham se posicionando, por meio de parcerias. O C6 também passou a oferecer a mesma facilidade, incluindo acesso a fundos de casas estrangeiras. Já o Bradesco aproveitou a estrutura do BAC Florida Bank, aquisição feita em 2019, para lançar o US Invest, prateleira de investimentos diretos nos Estados Unidos oferecida também às pessoas físicas que tem conta na corretora Ágora.

Com isso, com poucos cliques no aplicativo do celular, até mesmo o investidor com pouco dinheiro já pode investir. Com o dólar valorizado, o preço da ação pode ficar salgado em reais. Considerando já a conversão da moeda, cada ação da gigante Amazon, por exemplo, chega a custa cerca de R$ 700.

Acesso inédito

Segundo o especialista no setor e sócio da consultoria Spiralem, Bruno Diniz, são esperados novos acordos para que outras plataformas consigam acoplar investimentos diretos aos clientes. “O investimento direto era antes algo inacessível para grande parte dos investidores pessoa física. Hoje, o cenário de juro alto está levando investidores para a renda fixa, mas um caminho é a dolarização da carteira e diversificação”, diz. Para ele, esse será o novo campo de batalha que o mercado de investimento vai brigar.

Professor da FGV, Henrique Castro diz que além da maior quantidade de opções de investimento no Estados Unidos, outra vantagem ao acessar mercados de outros países é investir em economias consideradas mais estáveis que a economia brasileira. “Para conseguir um portfólio diversificado é importante pensar em alocação em ativos no exterior”, aponta. Ele lembra que o investidor, contudo, precisa ficar atendo às oscilações cambiais, que vão mexer na rentabilidade.

O novo passo das plataformas de investimento foi possível após uma mudança de regulação no Brasil, que deu acesso aos investimentos no exterior também ao pequeno investidor. Antes, a Comissão de Valores Mobiliários (CVM), no intuito de proteger esse grupo, colocou barreiras para os investimentos em ativos no Brasil, os tornando disponíveis apenas para investidores grande porte. Essa régua, antes alta, deixou de existir, com a leitura de que diversificação é benéfico também ao pequeno.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Inflação e juro alto geram onda de devolução de imóveis e renegociação de crédito da casa própria
ONU negocia acordo para conter superexploração do oceano
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde