Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Filipe Guerrero Gracia Você tem hérnia de disco? Saiba como resolver este problema

Compartilhe esta notícia:

A dor nas costas está presente em 80% da população mundial adulta, sendo que 30% a 40% dessas pessoas apresentam hérnia de disco lombar de forma assintomática. Ou seja, não sentem dor. E 2% a 3% sentem dor associada com a hérnia de disco, aparecendo mais em homens (4,8%) e em mulheres (2,5%), acima dos 35 anos.

Existem três tipos de hérnia de disco: a protusão discal — mais comum —, em que o núcleo do disco fica mais largo (mas permanece intacto), podendo ter contato com regiões de sensibilidade e levando a dores ou incapacidade de movimentos; a extrusa — que é um quadro mais sério — onde o núcleo do disco se deforma e se rompe, eliminando o líquido gelatinoso que o compõe, podendo comprimir raízes nervosas e fechar o canal por onde passam; e a sequestrada, situação de maior gravidade, pois a parede do disco se rompe e o líquido gelatinoso vaza para dentro do canal medular, causando inflamações e uma compressão contínua.

Diante da baixa taxa de dor causada pela hérnia de disco (entre 2% e 3%), é sugestivo analisar a queixa do paciente em relação à dor, localização, irradiação, fatores de alívio ou de piora, dentre outras características que possam demonstrar o estado e a intensidade dos sinais e sintomas.

Por ser uma queixa multifatorial, diversos fatores, como levantamento de cargas com técnica ruim, postura incorreta, estruturas de sustentação frágeis, trauma severo, entre outros, podem gerar traumas nos discos. O quadro clínico típico envolvendo esses traumas inclui dor e alteração da funcionalidade na região de vértebras e em membros inferiores.

Dependendo da gravidade da hérnia, pode evoluir para uma lombociatalgia — conhecida, muitas vezes como dor ciática.
Devido às inúmeras possibilidades de manifestação, devemos estar atentos às suas formas atípicas e preparados para realizar um apurado diagnóstico diferencial.

O tratamento conservador é a primeira melhor opção diante de um quadro leve sem comprometimento da funcionalidade. O tratamento cirúrgico é de exceção e reservado apenas para os casos de insucesso do tratamento conservador, déficit neurológico progressivo ou síndrome da cauda equina.

Além de dor localizada na coluna lombar, pode irradiar-se para glúteos, coxas e joelhos. Inicialmente, de forma aguda e piorando com o esforço físico, se tornando muitas vezes um problema crônico. Um dos fatores determinantes é a menor estabilidade da região pela necessidade corporal de maior movimentação nesses locais vertebrais.

A constatação de um diagnóstico depende dos sinais e sintomas, do exame físico, do conhecimento da desconformidade, dos mecanismos de lesão, da sensibilidade da palpação do examinador e da capacidade de realizar os testes corretamente. É importante realizar vários procedimentos para confirmar de forma precisa o que está acontecendo, pois é possível que algum teste forneça resultados falso-positivos devido ao surgimento de sintomas em estruturas próximas.

Portanto, a utilização de um conjunto de testes proporciona melhor eficácia no diagnóstico. O exame neurológico é muito importante para analisar se a dor lombar vem associada com radiculopatia.

É possível tratar a hérnia de disco seguindo as recomendações do profissional da saúde, com o uso correto de medicamentos, aderindo a terapias e praticando atividades físicas supervisionadas. O importante é sempre evitar um esforço além do limite do paciente.

Profissionais como o Osteopata, Fisioterapeuta, Médico e o Educador Físico estão aptos para realizar o diagnostico diferencial e direcionar o tratamento, realizando-o multidisciplinarmente. Portanto, o reconhecimento precoce dessa associação permite um tratamento direcionado e diminui as incapacidades.

Filipe Guerrero Gracia – Osteopata DO MRO Br

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Filipe Guerrero Gracia

Dor no “Ciático”? Saiba como lidar com este problema
Dor nas articulações? Saiba como identificar e resolver este problema
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde