Domingo, 23 de Junho de 2024

Home Mundo Argentino que atirou garrafa contra Javier Milei é condenado a 3 anos e meio de prisão

Compartilhe esta notícia:

Um argentino que jogou uma garrafa de vidro contra Javier Milei no dia da posse presidencial foi condenado a três anos e meio de prisão por tentativa de lesão e lesões leves, já que um policial acabou atingido.

Gastón Ariel Mercanzini, de 53 anos, estava no meio da multidão durante a cerimônia. Ele arremessou o objeto contra Milei quando o presidente era transportado, em pé, em um carro conversível do Congresso para a Casa Rosada, sede do Executivo argentino.

Karina Milei, atual secretária-geral do governo e irmã do chefe de Estado, estava ao lado dele no carro.

A garrafa atingiu um subcomissário da Polícia Federal Argentina que integrava o primeiro círculo de segurança do presidente, que acabou sangrando pela ferida na cabeça, acima da orelha. Milei não foi atingido.

Mercanzini se entregou à polícia dois dias depois do episódio, dizendo ser o suspeito procurado e que queria pedir desculpas ao presidente.

“Mercanzini admitiu que, estando sob influência de álcool, lançou uma garrafa contra a zona onde o Sr. Presidente da Nação se encontrava, em um contexto de insatisfação geral. Expressou arrependimento e pediu desculpas pelo caso”, destaca o processo.

No dia do ataque, o homem estava desempregado e em situação de rua. Ele havia sido autuado anteriormente por consumo de drogas e violência de gênero, crime pelo qual foi condenado a 3 anos de prisão e cumpriu alguns meses de pena.

Exames realizados após o ataque contra Milei determinaram que ele tinha características compatíveis com “transtorno por consumo de substâncias psicoativas, com consciência parcial da doença e necessidade de tratamento, sem tratamento no momento do exame, em comorbidade com situação de vulnerabilidade biopsicossocial”.

Mas, segundo a perícia, não foram identificados elementos suficientes para determinar cientificamente que ele estivesse alterado a ponto de não compreender ou não ter controle sobre seus atos no caso.

Em uma conta de Facebook no nome de Mercanzini, citada no processo, há uma postagem que afirma: “São tão curtos de mente que tive que fazer outro perfil, não vou ser preso, e se for, vou com a cabeça levantada, tive coragem de fazer o que muitos não conseguiram”.

O documento judicial ressaltou, após análises das redes sociais do suspeito, que “Mercanzini mostrava afinidade por manifestações, publicações ou notícias associadas a outro partido político, expressando desprezo ao governo atual”.

A pena pelo crime seria de um ano e meio de prisão, mas foi aumentada para três anos e meio devido a um acordo entre o acusado e o promotor, ratificado posteriormente pela juíza María Eugenia Capuchetti, considerando uma condenação anterior contra ele por violência de gênero.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Amanda Schott confirma vaga no levantamento de peso em Paris 2024
Agroindústrias do RS poderão comercializar produtos de origem animal para outros Estados
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde