Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Home Brasil Blocos clandestinos de Carnaval desfilam no Rio de Janeiro apesar da proibição no Rio

Compartilhe esta notícia:

O carnaval foi cancelado em fevereiro, mas blocos clandestinos que desfilaram neste sábado (19) no Centro do Rio de Janeiro já demonstram que as autoridades terão trabalho para conter os foliões que desrespeitam as regras sanitárias.

Pela manhã, o “Não adianta ficar Putin” começou às 7h concentração no Museu do Amanhã, saiu em cortejo às 8h e seguiu pelo Boulevard Olímpico, durando até as 11h, quando foi interrompido pela Secretaria de Ordem Pública, sem confusão.

No fim da tarde, no entanto, na mesma região, a imprensa carioca flagrou um bloco ainda mais cheio e aglomerado. Em um ponto, eles passam perto de policiais militares, que nada fazem.

Em uma agenda informal que circula por redes sociais entre foliões, havia outros blocos agendados para este domingo e para as próximas semanas.

O que dizem as autoridades – A Polícia Militar disse que “segue à disposição dos órgãos municipais para apoiar nas ações que se façam necessárias”.

Em nota, a Secretaria de Ordem Pública, disse que “monitora, por meio do setor de inteligência, esses eventos para que não haja transtornos na cidade, e também conta com a conscientização e a colaboração da população”.

“Na manhã deste sábado, a SEOP tomou conhecimento da ocorrência de um evento clandestino na região do Centro do Rio e destacou uma equipe da Guarda Municipal para o local. Cerca de 100 pessoas estavam no evento, que foi desmobilizado pelos agentes por volta das 11h com diálogo e sem registro de incidentes”, diz o texto.

Vizinho de cueca

Um influenciador digital de Salvador viralizou na internet após divulgar um vídeo em que a vizinha pede para que ele pare de andar de cueca dentro da própria casa. A publicação já foi vista por milhares de pessoas e tem causado polêmica nas redes sociais.

Liverson Silva estava em casa, quando a mulher bateu em sua porta. No vídeo, o influenciador mostra pela janela a distância entre os prédios em que ficam os apartamentos dele e da mulher.

“Como vocês podem ver, daqui do apartamento dá para ver a janela dela. E aqui eu coloquei uma cortina para que aumentasse a minha privacidade. Olha só o absurdo que ela me falou”, diz Liverson.

Em seguida, ele mostra o diálogo que teve com a vizinha, sem identificá-la. Na gravação, é possível ouvir que ela se apresenta e pede para que ele não ande mais de roupa íntima dentro de casa, porque estaria incomodando a vizinhança.

“Então, eu vim aqui falar com você sobre uma situação que está incomodando bastante o apartamento da frente. É sobre você ficar andando de cueca, não é, meu querido?”, diz a vizinha.
Em outro trecho, o influenciador diz à mulher que ela está querendo privar a liberdade dele, dentro do próprio apartamento.

“Você está querendo mandar no que eu posso ou não posso fazer no meu apartamento e isso eu não vou aceitar, não”, disse.

Nas redes sociais, o rapaz recebeu apoio de muitos seguidores, que consideraram a atitude da vizinha invasiva.

O advogado e professor de Direito Civil, Marcos Ehrardt Junior, avalia que a situação pede bom senso dos dois lados.

“Todos os direitos têm limite, a gente tem que começar dessa premissa. Acontece que, quando a gente está dentro da nossa casa, a nossa legislação assegura que a casa é um espaço inviolável, para a gente viver da maneira que a gente achar melhor. Só que acontece é que o nosso direito, o exercício dele, vai esbarrar quando a gente encontra o direito das outras pessoas. A palavra chave é ponderação”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Levantamento feito em Tribunais de Justiça de todo o País identifica 25 caçadores, atiradores e colecionadores envolvidos com milícias, grupos de extermínio e facções do tráfico
Chuvas no Brasil deixam mais de 80 mil pessoas fora de casa em sete Estados
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa