Terça-feira, 28 de Maio de 2024

Home Mundo Brasileiros ganham “superpoder” de compra em cidades como Buenos Aires devido à cotação do peso

Compartilhe esta notícia:

Ser nômade digital parece um sonho distante, mas pode se tornar uma realidade para quem atua em regime 100% de home office, como é comum nas áreas de tecnologia e de marketing digital. Esse é o caso de Washington Ávila, de 27 anos, que escolheu morar em Buenos Aires, na Argentina, por alguns meses e, com a desvalorização do peso, vive dias de rico. “É um superpoder que o brasileiro tem aqui”, afirma.

Somando todos os custos básicos, como aluguel, alimentação e lazer, o gasto fica entre R$ 4 mil e R$ 5 mil ao mês na cidade. O real hoje equivale a 26,78 pesos argentinos, no câmbio oficial – mas a cotação já está perto do dobro disso no paralelo, pois o sistema de câmbio argentino tem um total de 13 cotações, sendo bem diferente do visto no Brasil.

Com isso, enquanto trabalha para uma startup de tecnologia no Brasil, Ávila consegue morar em uma cidade grande, aperfeiçoar seu espanhol e, de quebra, ver seu dinheiro valendo mais do que em São Paulo, onde morava antes de fazer as malas e embarcar para o país vizinho. “Eu consigo ter um estilo de vida confortável com um salário menor do que no Brasil, apesar da situação econômica na Argentina”, conta Ávila. No país, a inflação pode chegar a 90% este ano.

Peso e Dólar blue

O consultor de vendas utiliza conta da Western Union para fazer o salário que recebe em real ser utilizado na Argentina. O valor é convertido pelo dólar blue, uma cotação paralela do dólar americano. Nessa métrica, R$ 4 mil se transformam em 208.838 pesos argentinos atualmente. A Western Union ganhou tração entre os brasileiros que viajam para a Argentina, por oferecer uma cotação mais vantajosa aos viajantes.

O plano de Ávila, por enquanto, é retornar ao Brasil para cumprir compromissos de fim de ano. Mas ele considera a ideia de se mudar de forma permanente para a Argentina.

Geovana e Naoamy trabalham com marketing digital, prestando serviços para empresas brasileiras. “A pandemia ajudou a aumentar a cultura do trabalho remoto. Mas já tivemos que encerrar contrato com cliente que exigia reuniões presenciais”, diz. Geovana também mostra sua rotina de nômade digital no Instagram (@ageotaviajando), rede social em que tem mais de 5 mil seguidores.

Organização financeira

Para a educadora financeira da Open Co, Lai Santiago, ser nômade digital precisa ir além da “romantização” da ideia de morar em diferentes países e ter base em um planejamento financeiro sólido, com um reserva de emergência para, pelo menos, oito meses de gastos mensais.

“No caso de uma pessoa que vai morar em países estrangeiros e tem a necessidade de utilizar uma moeda diferente, a melhor alternativa é manter o valor em uma conta internacional em uma moeda mais estável, como dólar ou euro”, afirma.

A rotina de um nômade digital também precisa contemplar economias para compra de passagens aéreas e resiliência financeira para lidar com aluguéis mais caros em determinados países. É preciso conversar com quem mora no local desejado para entender o real custo de vida e simplificar a vida financeira, com menos contas e cartões de crédito. “Quanto mais simples for esse seu “esqueleto”, mais chances de você ser bem-sucedido, tanto quando as coisas vão bem, quanto quando surgirem os perrengues”, diz Santiago.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

iPhone 14: confira as 6 principais novidades anunciadas pela Apple
Obras da Anita Garibaldi são entregues à população em Porto Alegre
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News