Terça-feira, 16 de Abril de 2024

Home em foco Congresso faz manobra para salvar orçamento secreto

Compartilhe esta notícia:

Com o Supremo Tribunal Federal (STF) prestes a decidir o destino das emendas do relator, chamadas RP9, o Congresso aprovou, a toque de caixa, um projeto de resolução (PRN) que amplia a transparência do mecanismo, conhecido como orçamento secreto. O texto vai agora para a promulgação.

Na sessão do Congresso, o substitutivo do senador Marcelo Castro (MDB-PI) ao projeto de resolução recebeu 328 votos favoráveis de deputados, 64 contrários, e houve quatro abstenções. Entre os senadores, a matéria teve aval de 44 – 20 foram contra, e houve duas abstenções. Agora, os parlamentares aguardam o término do julgamento do STF sobre a constitucionalidade das emendas do relator. O placar está em 5 x 4 pela inconstitucionalidade das RP9 – a avaliação será retomada na Corte nesta segunda-feira, restando os votos dos ministros Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski.

Caso o Supremo decida que as emendas são ilegais, o projeto de resolução perde sua validade, e os cerca de R$ 20 bilhões destinados às RP9 serão remanejados por Marcelo Castro, que também é relator-geral do Orçamento.

Conforme define o PRN, os critérios de divisão dos R$ 19,4 bilhões das emendas do relator serão os seguintes: as mesas diretoras de Câmara e Senado ficarão com 15% do valor total das emendas, sendo 7,5% para cada uma; a Comissão Mista de Orçamento (CMO) terá 5%; e os 80% restantes serão divididos proporcionalmente por partido, de acordo com suas bancadas (23,33% reservados para indicações dos senadores e 56,66%, para os deputados federais). Antes da aprovação do projeto, o relator-geral do Orçamento era responsável por definir para quem liberaria os recursos, observando apenas critérios políticos.

“Com essa resolução, estamos atendendo os princípios da administração pública: isonomia, equidade, impessoalidade, publicidade. Esses recursos serão distribuídos equitativamente, as bancadas partidárias na proporção do seu número de parlamentares. Tenho dado exemplo: se uma bancada tem dez parlamentares, serão destinados para ela 10 X. A bancada que tem 100 parlamentares receberá 100 X”, explicou Castro.

O senador argumentou que as mesmas características presentes no processo de execução das emendas individuais serão aplicadas nas RP9. Ele ainda enfatizou que o mecanismo é prerrogativa do Congresso. “Decisão do Supremo não se discute, cumpre-se. O que decidiu está decidido”, disse, comentando uma possível decisão contrária às RP9. “Não sou jurista, mas entendo que temos a prerrogativa, o Congresso Nacional, de fazer as emendas do relator. Assim como temos as prerrogativas de fazer emendas individuais, emendas de bancada, emendas de comissão. Acho que estamos cumprindo os preceitos constitucionais da administração pública: legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência.”

Insatisfeitos

A divisão, conforme previsto no projeto, não agradou a todos os congressistas. Muitos deles defenderam que o montante das RP9 fosse dividido igualmente entre todos os parlamentares. Deputados e senadores de esquerda e de direita defenderam a aprovação de um destaque do Partido Novo para fazer valer uma emenda do senador Alessandro Vieira (PSDB-SE), que pedia a partilha sem distinção de cargos entre os 513 deputados e 81 senadores.

A deputada Adriana Ventura (Novo-SP) argumentou que o PRN melhora pontos das emendas, como a exclusão da figura do “usuário externo”, mas não acaba com o formato de “balcão de negócios”. “Esse PRN perpetua esse balcão de negócios. Melhorou um pouquinho? Beleza, estamos no caminho de dividir um pouquinho mais, mas ainda é um balcão de negócios, porque temos valores diferentes a deputados e senadores”, frisou.

O líder do PSB, deputado Elias Vaz (GO), também orientou positivamente à aprovação do destaque de Alessandro Vieira, “porque ele corrige um problema gravíssimo a esse projeto, que é manter R$ 1,5 bilhão nas mãos dos presidentes do Senado e Câmara”. “É um grande absurdo, portanto entendemos que a questão da distribuição ficou um critério claro para todos os parlamentares e me parece que corrige esse problema. Não existe argumento que me pareça justo que os presidentes de Câmara e Senado tenham esse valor absurdo”, criticou.

Segundo Marcelo Castro, os percentuais destinados às presidências da Câmara e do Senado fortalecem a isonomia e a equidade, pois servirão para “corrigir distorções”. Além disso, haverá liberação por solicitação de deputados e senadores às respectivas mesas diretoras.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

“Diego está sorrindo agora”: Pelé parabeniza Argentina após título no Mundial do Catar
Neymar e Ronaldo Fenômeno parabenizam Messi por título da Copa
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde