Domingo, 22 de Maio de 2022

Home Brasil Dona de linhão na Amazônia cobra R$ 1 bilhão e acusa Aneel de “usurpar” decisão do governo federal

Compartilhe esta notícia:

O atraso de quase uma década no início das obras do linhão de energia de Tucuruí, entre Manaus (AM) e Boa Vista (RR), costuma ser atribuído, tanto pelo governo federal quanto pelos empreendedores do projeto, à relutância de povos indígenas de Roraima em chegar a um acordo final para que a linha de transmissão passe por dentro de suas terras. A questão indígena, porém, está longe de ser um único fator que transformou essa obra em um dos projetos mais problemáticos da infraestrutura nacional. A questão é dinheiro.

A concessionária Transnorte Energia, empresa formada pela estatal Eletronorte e a companhia Alupar, trava uma batalha financeira contra Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica), a qual acusa de “usurpar” decisões já tomadas pelo governo, e cobra mais de R$ 1 bilhão em custos extras por uma obra que sequer teve início.

A concessionária enviou uma carta à diretoria da agência no dia 15 de fevereiro. A empresa acusa a Aneel de se negar a reconhecer seus cálculos de indenização pelo atraso da obra que foi leiloada há dez anos e que deveria estar pronta desde 2015. A Aneel nega as acusações.

Até hoje a construção não começou devido ao impasse em seu licenciamento ambiental, dado que a linha de 720 km cortaria pelo meio a terra indígena do povo Waimiri Atroari, em uma extensão de 120 km.

Segundo a empresa, que já tentou devolver o projeto, o Ministério de Minas e Energia e a AGU (Advocacia Geral da União) recomendaram à agência que mantivesse a concessão ativa e que fizesse o reequilíbrio econômico-financeiro do contrato, mas a Aneel resiste em aceitar as contas apresentadas pela Transnorte Energia.

A Aneel não pode usurpar a competência constitucional da AGU para definir interpretação jurídica independente e isolada, divergente inclusive do entendimento do poder concedente, representado pelo MME (Ministério de Minas e Energia)”, afirma a Transnorte, por meio de seus escritórios de advocacia. “As normas constitucionais reservam ao advogado-geral da União a prerrogativa de garantir a correta aplicação das leis, como órgão máximo de assessoramento e consultoria jurídica de toda a administração pública federal.”

Pelas regras do setor elétrico, uma concessionária de linha de transmissão assume os custos de erguer o projeto e, depois, passa a ser remunerada por uma receita pré-definida, durante o prazo do contrato. No caso da linha Manaus-Boa Vista, último trecho do País que falta para interligar a rede nacional de transmissão, o prazo total é de 30 anos, sendo três anos de construção e 27 de exploração comercial da rede.

Nos cálculos da Transnorte, a empresa já teria comprometido mais de R$ 2,9 bilhões em investimentos no projeto, a preços de março de 2021, o que inclui compra de material, armazenamentos e financiamentos, entre outros contratos para execução da obra.

Mais de R$ 1 bilhão, porém, estaria relacionado a custos extras causados pelo atraso no empreendimento. Esses valores, associados a correções monetárias, fizeram explodir o valor que a empresa teria direito a receber anualmente, após colocar a linha para funcionar.

Em 2012, o contrato original previa uma receita de R$ 121 milhões por ano. Em 2019, após uma série de acertos junto à agência, a Aneel concordou em reajustar esse valor anual para R$ 329 milhões.

A construção, porém, não teve início e, no ano passado, nova conta foi apresentada pela empresa, desta vez de R$ 395 milhões anuais, com o qual a agência não concordou. Hoje, a cifra mais atual já chega a R$ 598 milhões por ano.

Aneel nega acusações

Por meio de nota, a agência informou que “não há impasse de interpretação sobre o reequilíbrio” financeiro do contrato e que “a competência legal de gerir os contratos de concessão é da Aneel”.

“Além disso, não há qualquer confronto entre as decisões tomadas pela agência e entendimentos da AGU ou do MME. A empresa informa que teve custo adicional, mas a obra sequer foi iniciada”, declarou.

A Aneel, que tem diretoria e corpo técnico independente do governo, afirmou ainda que os custos alegados como extraordinários pela empresa (como erguimento das estruturas, preço dos cabos e indenização aos indígenas) “são inerentes ao empreendimento”.

Segundo a agência reguladora, a empresa “confunde” a passagem de tempo da concessão com itens previstos desde o leilão do empreendimento.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ministério da Saúde cancelou contrato com Ucrânia para produção de insulina nacional
Atendimento do 156 de Porto Alegre recebeu quase 15 mil ligações nesta semana
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News