Domingo, 28 de Novembro de 2021

Home em foco Em Taiwan, festival de queima de barcos se torna esperança contra o coronavírus

Compartilhe esta notícia:

O antigo ritual começou pouco antes do amanhecer. Em uma praia no Sul de Taiwan, milhares se reuniram enquanto voluntários levantavam um barco de 13 metros, ricamente pintado em dourado e vermelho, no topo de uma montanha de papéis de incenso. A multidão assistiu em silêncio enquanto os organizadores convidavam os deuses a bordo. “Prepare-se para acender os fogos de artifício”, ecoou uma voz no alto-falante.

O navio rapidamente pegou fogo.

A cerimônia de queima de barcos em Donggang — um festival taoísta tradicional que homenageia as divindades guardiãs conhecidas como Wang Ye — protegeu Taiwan por décadas, de acordo com os moradores. Alguns dizem que a cerimônia ajudou a evitar o pior durante a pandemia de SARS em 2003, enquanto outros dizem que ajudou a afastar tufões. Acredita-se que os Wang Ye patrulhem o mundo a cada três anos, caçando doenças e o mal, e os levando de volta ao céu.

Este ano, os fiéis de Wang Ye esperam que a cerimônia — oito dias de rituais religiosos que culminaram na queima de um “barco do rei” cuidadosamente trabalhado em 31 de outubro — possa ajudar a acabar com a pandemia do coronavírus. Para Taiwan, que está saindo de seu pior surto de covid-19, o festival representou um retorno à vida normal após meses de restrições.

“Espero que os deuses controlem a pandemia e façam com que ela desapareça de vista em Taiwan e em todo o mundo”, disse Chang Jung-hui, um nativo de Donggang de 65 anos que participa da cerimônia desde quando estava no jardim de infância.

Taiwan, onde vivem 24 milhões de pessoas, se saiu melhor do que muitos de seus vizinhos durante a pandemia. A ilha ficou 253 dias sem um novo caso em 2020, antes de um surto este ano levar a mais de 14 mil infecções e 823 mortes entre maio e outubro, embora as autoridades nunca tenham aplicado um bloqueio total.

Donggang, um centro pesqueiro de 43 mil pessoas, registrou apenas três casos no ano passado e nenhum em cinco meses, mesmo com a propagação da variante Delta nas cidades vizinhas. Para muitos, isso é uma prova de que a última cerimônia de queima dos barcos, em 2018, funcionou.

“É um milagre!” disse Lin Yi Chen, de 35 anos, um dos voluntários da cerimônia, que ficou encantado com o fato de o evento ter prosseguido. “É um sinal do poder dos deuses.”

Mais de 30 mil voluntários e curiosos compareceram aos últimos dois dias do festival deste ano, de acordo com a polícia, menos do que nos anos anteriores devido ao limite de multidões. Os participantes viajaram por toda Taiwan, incluindo pescadores que voltaram de meses no mar para o festival. Outros tiraram licença do trabalho para comparecer.

“Não há problema em perder o emprego, mas você não pode perder a cerimônia”, disse Lin Zhi-long, de 48 anos, uma das voluntárias.

A queima do barco Wang Ye, que homenageia os membros da dinastia Song que foram imortalizados após sua morte no mar, data de pelo menos 300 anos. Em Taiwan, a cerimônia se originou com os imigrantes chineses que trouxeram os rituais na esperança de se protegerem de doenças e demônios em sua nova pátria.

Desta vez, o clima era de alegria após meses de restrições às reuniões sociais. Perto do templo Donglong, as ruas estavam abarrotadas de barracas que vendiam comida e souvenirs. Dentro do templo, as pessoas acendiam incenso e jogavam blocos de adivinhação, buscando respostas dos deuses.

O barco do rei desfilou pela cidade para coletar doenças e maus espíritos, e as famílias acenderam fogos de artifício enquanto a procissão passava por suas casas. Recém-formados, vestidos com suas batas, tiraram fotos na frente do barco.

“As pessoas estão tão cansadas. Elas esperam um evento que as inspire”, disse Lin Yi-chen, de 35 anos, uma funcionária pública que viajou de Taipei, a capital.

Li Mei-pin, de 56 anos, sentou-se ao lado do templo, embalando arroz e feijão em sacos plásticos — comida para os deuses durante a busca para caçar doenças e o mal.

Li, que dirige um negócio de pesca local, disse que rezava desde maio para que a cerimônia fosse realizada, para livrar o mundo do coronavírus. “Espero que, após o ritual de queima do barco, tudo fique bem”, disse ela.

Os moradores alertam que o ritual não é isento de riscos. Durante a cerimônia de queima do barco, os participantes não devem se virar, pisar no jornal ou fazer barulho por medo de convidar os maus espíritos. Crianças e mulheres grávidas são aconselhadas a não comparecer.

Esperando na praia pelo início da cerimônia, os participantes cochilaram apoiados nas árvores ou permaneceram em silêncio. Eles dizem que manter o ritual é seu dever. “O incêndio é a melhor maneira de eliminar o vírus”, disse Chen Yi-hong, de 54 anos, fotógrafo de Donggang que documentou a cerimônia por uma década.“Em Donggang, cada morador tem sua própria missão celestial. Somos todos filhos de Wang Ye”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Apesar da vacina, 86% dos brasileiros têm medo de uma nova onda de covid em nosso país
Apenas 18 municípios brasileiros não tiveram casos confirmados de covid em 2020
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa