Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home em foco Estados Unidos impõem novas sanções econômicas à Rússia, com foco ao setor de energia

Compartilhe esta notícia:

As sanções do Ocidente contra a Rússia após a invasão da Ucrânia atingiram novo patamar na quarta-feira (2). Os Estados Unidos anunciaram restrições ao país que incluem “exportações de tecnologia” no setor de refino de petróleo.

De acordo com a Casa Branca, as ações podem ajudar Washington a alcançar o objetivo de “degradar o status da Rússia como principal fornecedor de energia ao longo do tempo”. A iniciativa marca o passo mais significativo já adotado para alcançar o setor que é considerado a força vital da economia russa.

Os EUA alertaram para o fato de que poderiam bloquear o petróleo russo caso Moscou intensifique o ataque contra a Ucrânia, mas o governo de Joe Biden ainda avalia a dimensão que a medida poderia ter para o mercado de energia global. “A opção está na mesa, mas precisamos pesar quais impactos terá”, disse Jen Psaki, porta-voz da Casa Branca.

Desde o início das restrições ao governo de Vladimir Putin, os EUA e a União Europeia tentaram deixar de fora o setor de energia das sanções contra o país. A Rússia responde por 7,5% das exportações globais do produto.

Isso não impediu, porém, que o mercado já antecipasse os efeitos de sanções a atividades de petróleo e gás. Nesta quarta-feira, o barril do Brent alcançou nova máxima, chegando a US$ 112,93, o maior nível desde junho de 2014.

Gradual

A Casa Branca reforçou a mensagem de que o país, aliados e parceiros não têm interesse em reduzir a oferta global de energia. O alcance das restrições anunciadas ainda é incerto. Raymond James, analista da Pavel Molchanov, afirmou ao Wall Street Journal que o escopo é restrito e mira apenas o setor de refino. Ele destacou que as duas maiores refinarias do país são administradas por uma estatal e por uma empresa do setor privado que tem forte ligação com o Kremlin.

Segundo Molchanov, as empresas dependem de tecnologia importada, mas o impacto deve ser sentido de forma gradual. O sistema de refino poderia, assim, caminhar para a obsolescência.

O alcance pode ser gradativo, mas o recado foi claro: na guerra econômica para deter a Rússia após a invasão da Ucrânia nem o eixo central da economia russa ficará de fora.

O receio de turbulência já havia levado a Agência Internacional de Energia (AIE) a anunciar na terça-feira a liberação de 60 milhões de barris de petróleo a partir das reservas estratégicas dos EUA e de outros países. Nesta quarta-feira, a Organização dos Países Exportadores de Petróleo e Aliados (Opep+) definiu aumento de 400 mil barris diários na produção em abril.

Mas nada disso teve impacto nas cotações. O petróleo e o gás da Rússia estão sob forte pressão. As empresas se recusam a adquirir produtos ou a transportá-los. Os bancos não querem financiar operações e as seguradoras não oferecem garantia aos negócios.

O gás natural chegou a disparar 60% na Europa. A incerteza sobre os rumos da deterioração da economia russa faz com que as empresas evitem fechar operações, com medo de não receber depois. O Banco Central da Rússia anunciou a liberação de reservas dos bancos no valor de US$ 26 bilhões, uma medida que visa garantir liquidez enquanto a população faz fila nas agências para sacar dinheiro.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mais de 830 mil ucranianos já fugiram para países vizinhos, especialmente para a Polônia
Após eliminação, técnico Roger fala sobre a necessidade de reforços no Grêmio
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Bom Dia