Quinta-feira, 13 de Junho de 2024

Home Brasil Filho da ex-deputada Flordelis é absolvido por júri de acusação de homicídio de pastor

Compartilhe esta notícia:

A Justiça absolveu Carlos Ubiraci, filho afetivo de Flordelis, da acusação de homicídio triplamente qualificado e tentativa de homicídio qualificado contra Anderson do Carmo, mas o condenou pelo crime de associação criminosa armada. A sentença foi proferida na manhã desta quarta-feira (13), no Rio de Janeiro (RJ).

Já Adriano dos Santos Rodrigues, filho biológico de Flordelis, Marcos Siqueira da Costa, ex-policial militar, e Andrea Santos Maia, esposa de Marcos, foram condenados por uso de documento falso duas vezes e associação criminosa armada.

Adriano dos Santos Rodrigues foi condenado a 4 anos, 6 meses e 20 dias de reclusão em regime inicialmente semiaberto; Marcos Siqueira Costa, a 5 anos e 20 dias de reclusão em regime inicialmente fechado; Andrea Santos Maia, a 4 anos, 3 meses e 10 dias de reclusão em regime inicialmente semiaberto. Já Carlos Ubiraci foi condenado a 2 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão em regime inicialmente semiaberto.

O Tribunal do Júri foi iniciado no final da manhã de terça-feira (12) e avançou pela madrugada. Durante todo o julgamento foram ouvidas 12 testemunhas, os 4 réus e os advogados de defesa. No início da manhã desta quarta-feira, estava prevista a tréplica do Ministério Público, mas a promotoria optou por não fazê-la.

Depoimentos

Carlos Ubiraci, filho afetivo de Flordelis e Anderson, admitiu pela primeira vez que a ex-deputada teve participação no crime. Ele também afirmou que sabia dos planos para matar o pastor, mas que não teve nenhum tipo de envolvimento no homicídio.

Roberta, filha adotiva do casal que foi ouvida como testemunha, também falou que havia um plano para matar Anderson e que boa parte da família sabia disso, incluindo a própria vítima, que não acreditava que seria executada.

Já Adriano dos Santos Rodrigues, filho biológico de Flordelis, confessou durante seu depoimento que auxiliou na autoria de uma carta falsa na qual Lucas Cézar dos Santos, filho adotivo, assume ter participado da morte de Anderson.

A escritura da carta teve ainda o auxílio do ex-policial militar Marcos Siqueira da Costa, segundo a denúncia do MP, que também foi ouvido durante a audiência. Sua esposa, Andrea Santos Maia, afirmou que intermediou a entrega da carta a Lucas na prisão e recebeu dinheiro para levar regalias para ele, como comida e roupas, serviço que ela prestava a outras famílias.

Entre as testemunhas, foram ouvidos dois delegados que investigaram o caso: Alan Duarte e Bárbara Lombra, da Delegacia de Homicídios de Niterói.

A investigadora relatou ao Tribunal do Júri de Niterói que o controle exercido pelo pastor sobre a vida da ex-deputada Flordelis gerou incômodo na família e motivou o planejamento do assassinato.

Segundo Lomba, as investigações do caso mostraram que a forma como o pastor direcionava a vida política, religiosa, financeira e artística de Flordelis causou uma divisão na casa onde o casal morava com os 55 filhos, biológicos e adotivos.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

Ministro da Saúde Marcelo Queiroga pedirá que comissão revise trecho de protocolo que veta “kit covid” no SUS
Vacina da Pfizer para as novas variantes pode ficar pronta até setembro
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News