Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home em foco Flórida veta dezenas de livros escolares e exige mudanças em temas sociais

Compartilhe esta notícia:

A Flórida rejeitou dezenas de livros didáticos de estudos sociais e trabalhou com editoras para editar dezenas de outros, anunciou o departamento de educação do estado nesta terça-feira, no último esforço do governador Ron DeSantis para retiras dos materiais escolares tópicos contestados, especialmente em torno de questões contemporâneas de raça e justiça social.

Funcionários do estado originalmente rejeitaram 82 dos 101 livros enviados por causa do que consideraram “material impreciso, erros e outras informações que não estavam alinhadas com a lei da Flórida”, disse o Departamento de Educação em um comunicado à imprensa.

Mas, como parte de um amplo esforço para revisar os materiais, a Flórida trabalhou com os editores para fazer alterações, aprovando 66 dos 101 livros didáticos. Ainda assim, 35 foram rejeitados mesmo após esse processo.

DeSantis fez campanha contra o que descreveu como “doutrinação acordada” e uma agenda esquerdista na sala de aula. No ano passado, o estado rejeitou dezenas de livros didáticos de matemática, dizendo que os livros abordavam tópicos proibidos, incluindo a teoria racial crítica e o aprendizado socioemocional, que se tornaram alvos da direita.

Esperava-se que a revisão estadual dos livros didáticos de estudos sociais, que é realizada a cada poucos anos, levantasse objeções semelhantes.

O departamento de educação do estado divulgou um documento descrevendo várias revisões que, segundo ele, os editores fizeram a seu pedido. Mas o documento não listava os títulos ou editoras dos livros revisados, dificultando a verificação independente das alegações.

As revisões delineadas pelo estado incluíram:

– Um livro didático do ensino fundamental não inclui mais orientações de “apoio domiciliar” sobre como falar sobre o hino nacional, que incluía conselhos de que os pais poderiam “usar isso como uma oportunidade para falar sobre por que alguns cidadãos estão escolhendo ‘se ajoelhar’ para protestar contra a brutalidade policial e o racismo.’” Funcionários da Flórida disseram que o conteúdo não era apropriado para a idade.

– Um texto sobre diferentes tipos de economias foi editado para retirar uma descrição do socialismo como mantendo as coisas “boas e equilibradas” e potencialmente promovendo maior igualdade. A descrição foi sinalizada como imprecisa e a menção ao termo “socialismo” foi totalmente removida.

– Um livro didático do ensino médio não inclui mais uma passagem sobre o movimento Black Lives Matter, o assassinato de George Floyd e seu impacto na sociedade. A passagem removida descrevia os protestos, observando que “muitos americanos simpatizavam com o movimento Black Lives Matter”, enquanto outras pessoas criticavam saques e violência e viam o movimento como anti-polícia. O estado disse que a passagem continha “tópicos não solicitados”.

Manny Diaz, Jr., o comissário de educação da Flórida, disse em um comunicado que os livros didáticos devem “focar em fatos históricos” e ser “livres de imprecisões ou retórica ideológica”.

Ensinar sobre raça tornou-se um pára-raios nacionalmente, mas especialmente na Flórida, onde DeSantis, que é amplamente esperado para anunciar uma candidatura presidencial em 2024, fez disso uma questão política própria.

No entanto, o tom do anúncio deste ano pelo estado foi suavizado, em comparação com o ano passado.

Quando o estado rejeitou os livros didáticos de matemática em 2022, o anúncio foi feito em um comunicado de imprensa chamativo enfatizando as rejeições: “Florida Rejects Publishers’ Attempts to Doutrinate Students” (Flórida rejeita tentativas das editoras de doutrinar estudantes).

Este ano, por outro lado, as autoridades estaduais enfatizaram a porcentagem de livros didáticos que foram aprovados e como o estado trabalhou com as editoras para aumentar o número de aprovações.

Em uma coletiva de imprensa em uma escola na manhã de terça-feira, DeSantis assinou um pacote de legislação educacional e enfatizou outros tópicos, incluindo US$ 1 bilhão em financiamento para aumentar os salários dos professores.

O governador colocou pouco foco nos livros didáticos de estudos sociais, embora a certa altura parecesse aludir a uma reportagem do The New York Times, que descobriu que uma editora, a Studies Weekly, havia retrocedido nas discussões sobre raça em suas apresentações na Flórida, incluindo na história de Rosa Parks.

A Studies Weekly disse que estava tentando “decifrar” como cumprir uma nova lei da Flórida, conhecida como Stop WOKE Act. Assinada por DeSantis no ano passado, a lei proíbe instrução que obrigue os alunos a sentir responsabilidade, culpa ou angústia pelo que outros membros de sua raça fizeram no passado. A lei às vezes criou confusão, e a Studies Weekly mais tarde se desculpou pelo que descreveu como uma reação exagerada de sua equipe de currículo — posteriormente o as obras submetidas não foram aprovadas para uso na Flórida.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

É falso que o projeto de lei das fake news vai censurar versículos da Bíblia
A briga política que levou à troca de farpas entre Romário e Bebeto
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde