Sábado, 21 de Maio de 2022

Home em foco Governo da França declara estado de emergência sanitária da Guiana Francesa, a fronteira com o Brasil

Compartilhe esta notícia:

O governo francês decretou estado de emergência sanitária em vários de seus territórios ultramarinos em razão da aceleração da pandemia de covid-19 alavancada pela variante ômicron.

A Guiana Francesa, na fronteira com o Brasil, faz parte das regiões atingidas, assim como Saint Barthélemy, Guadalupe e Saint-Martin, no mar do Caribe, além de Maiote, no Oceano Índico. A decisão é da última quarta-feira (5).

“Diante da capacidade hospitalar desses territórios e dos baixos índices de vacinação da população, a atual onda epidêmica da covid-19 representa uma catástrofe sanitária que coloca em risco a saúde da população”, resume o decreto apresentado no Conselho dos Ministros, em Paris.

Com a medida, as autoridades locais podem impor um regime de lockdown ou outros dispositivos, como o toque de recolher, para manter a população em suas casas e evitar aglomerações.

O governo tem constatado um “aumento considerável” de casos fora da França metropolitana. Além dos territórios anunciados, o estado de emergência sanitária já havia sido declarado em 27 de dezembro na ilha da Reunião, no Índico, e na Martinica, no Caribe.

As autoridades alertam principalmente para os baixos níveis de vacinação registrados nessas regiões, onde ainda existe muita resistência à imunização. Apenas cerca de 40% da população dos territórios ultramarinos franceses, em média, recebeu a primeira dose da vacina anticovid.

Saturação dos hospitais

O caso da Guiana Francesa, separada do Brasil pelo Rio Oiapoque, no Norte do Amapá, é um exemplo citado frequentemente pelas autoridades. O território tem cerca de um terço de sua população vacinada.

“Com esse nível de imunização, os riscos de desenvolvimento de formas graves da doença aumentam e podem levar rapidamente a uma saturação das estruturas hospitalares”, alerta o decreto.

E governo lembra que a situação já é preocupante na Guiana Francesa, onde “o índice de ocupação dos leitos em serviços de reanimação já é superior a 190% da capacidade inicial”.

Como na França metropolitana, a vacinação não é obrigatória na Guiana. Mas o passaporte sanitário, documento que prova que seu portador foi vacinado ou fez um teste com resultado negativo recentemente, é exigido para ter acesso a bares, restaurantes e atividades esportivas e culturais.

No entanto, a regra nem sempre é aplicada e o uso de máscaras de proteção nem sempre é respeitado, o que potencializa a circulação do vírus, principalmente diante da capacidade de contágio da variante ômicron, que já está presente na região.

A facilidade de entrada e saída do território, em razão das fronteiras difíceis de controlar tanto do lado do Suriname, ao oeste, como do lado brasileiro, ao sul, tornam a contenção dos casos ainda mais complexa.

Na cidade guianense de Saint Georges, a apenas alguns minutos de barco de Vila Vitória e de Oiapoque, do lado brasileiro, a travessia é intensa e praticamente nenhum controle é feito.

A ponte que liga as duas margens ficou fechada durante meses, mas o tráfego de barcos improvisados continuou sendo tolerado, já que muitas pessoas trabalham ou estudam dos dois lados da fronteira. O Amapá não tem casos confirmados, nem suspeitos da ômicron.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Mundo registra mais de 2 milhões e 500 mil casos de covid pelo 4º dia seguido
A combinação de fatores que deixa Brasil e América do Sul mais protegidas contra a ômicron
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News