Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home Rio Grande do Sul Governo do Rio Grande do Sul apresenta estudo sobre a primeira infância no contexto prisional

Compartilhe esta notícia:

O governo do Rio Grande do Sul apresentou o estudo “Primeira infância no contexto prisional: crianças de até 6 anos em famílias do sistema penitenciário do RS”. O objetivo da pesquisa é entender os dados referentes à proporção de crianças em famílias de pessoas que passaram pelo sistema penitenciário do Estado desde 2018 e, a partir disto, planejar e implementar iniciativas que promovam um cuidado especial para esse público. A reunião ocorreu no dia 18.

Os números, que servirão de subsídio para o diagnóstico e a elaboração de propostas do Plano Estadual da Primeira Infância, também foram utilizados na construção do indicador de Segurança e Proteção do Dashboard da Primeira Infância.

Segundo o vice-governador Gabriel Souza, que coordena as ações pela primeira infância no Rio Grande do Sul por meio do Gabinete de Projetos Especiais (GPE), o levantamento permite mapear com maior exatidão a população relacionada a essa faixa etária que frequenta o sistema prisional.

Para o secretário de Sistemas Penal e Socioeducativo, Luiz Henrique Viana, o estudo é um passo importante para aprimorar a assistência às crianças que tenham familiares no sistema prisional.

Sobre o estudo

O material foi desenvolvido sob coordenação do Gabinete do Vice-Governador, por meio do Comitê Estadual Intersetorial pela Primeira Infância do Rio Grande do Sul (Ceipi-RS). O estudo utiliza dados de visitas, de acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (InfoPen), e também informações do sistema federal CadÚnico. Já os cruzamentos e análises foram realizados pelo Departamento de Economia e Estatística (DEE) da Secretaria de Planejamento, Governança e Gestão (SPGG).

Também integram o grupo de trabalho as secretarias de Sistemas Penal e Socioeducativo, da Saúde, da Assistência Social, da Cultura e de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos.

Números

Para compor o estudo, foram considerados indicadores de janeiro de 2018 a agosto de 2023, conforme o chefe da Divisão de Análise de Políticas Sociais do DEE/SPGG, Tomás Fiori, responsável pela análise dos dados. Nesse período, 171.922 indivíduos passaram pelo sistema prisional gaúcho. Ao cruzar InfoPen e CadÚnico, foram identificadas 42.287 crianças de 0 a 6 anos em famílias de pessoas que estiveram privadas de liberdade no mesmo intervalo.

Segundo Fiori, existem ainda cenários que podem ampliar o grupo, já que 28% dos presos nunca recebeu visita de familiares e nem estão no CadÚnico, mas um cálculo médio permite estimar que mais de 60 mil crianças, que hoje têm de 0 a 6 anos, estão em famílias de pessoas do sistema prisional desde 2018.

Mulheres

Um recorte de gênero sobre a relação entre a primeira infância e pessoas privadas de liberdade identificou que as mulheres recebem menos visitas da faixa etária.

O estudo comparou dois estabelecimentos do mesmo porte durante o primeiro semestre deste ano: a Penitenciária Estadual de Arroio dos Ratos e a Penitenciária Estadual Feminina de Guaíba. O presídio masculino recebeu 110 visitantes de 0 a 6 anos, enquanto no feminino foram contabilizadas 11 visitas desse público no período, apenas 10% do que foi observado na penitenciária voltada para homens.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Lula e presidente da Câmara dos Deputados voltam ao Congresso em meio a pressão por cargos e votações
Justiça Eleitoral altera normas gerais para seus concursos públicos e autoriza seleção unificada
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde