Domingo, 03 de Julho de 2022

Home Colunistas Há 40 anos, Jair Soares vencia a prévia e a eleição para o governo do Estado

Compartilhe esta notícia:

Há 40 anos, em 1982, o PDS, sucedâneo da Arena, hoje PP, vencia sua primeira e última eleição direta para governador. Desde então, embora ostentando o título de maior partido do Estado, o hoje PP nunca mais venceu uma eleição para o Palácio Piratini. O relato, desde as prévias do partido, foi enviado pelo ex-governador Jair Soares, leitor atento desta coluna.

Com a palavra, o Governador Jair Soares

“Em 19 de Janeiro deste ano, transcorreram 40 anos da prévia para a escolha do candidato a Governador pelo Partido Democrático Social ( PDS ) – agremiação partidária líder da fronde conservadora de então no Rio Grande do Sul.

A inédita disputa, que até hoje não foi repetida, resultou de proposta do renomado politólogo, Professor Francisco Ferraz, ex-Reitor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul( UFRGS ), aceita de imediato pelos três aspirantes a candidato, e homologada pela Executiva do PDS: Jair Soares, vencedor da prévia e, posteriormente, eleito pelo voto direto Governador em 15 de novembro de 1982, depois de vinte anos de eleições indiretas; Nelson Marchezan e Otávio Germano, honrados repúblicos com assinalados serviços prestados à causa pública.

Alegava-se, à época, que a consulta poderia fragilizar o partido, que os derrotados tenderiam a não se envolver com a candidatura do vitorioso, prejudicando, inclusive, o pleito ao Senado, à Câmara dos Deputados e à Assembleia Legislativa.

O que se viu foi, ao contrário, uma intensa mobilização no âmbito partidário, envolvendo filiados nas mais de três centenas de municípios que compunham, à época , o Rio Grande do Sul.

Afora cumprir a função precípua para a qual foi concebida, a escolha de Jair Soares serviu para arregimentar forças e apoios, decisivos para a conquista do Palácio Piratini em novembro daquele ano; da vaga para o Senado, na pessoa do Senador Carlos Aberto Chiarelli; de expressivas bancadas em Câmaras de Vereadores, na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados; e centenas de Prefeituras Municipais.

Nestes “tempos líquidos“ que vivemos, em que a memória tende a se tornar rarefeita, dizem alguns ,em decorrência do crescimento exponencial da ciberesfera e da velocidade das informações, impõe-se assinalar tão relevante evento político ocorrido há 40 anos.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Colunistas

A reforma tributária e o ano de 2022
Em momento algum, o STF tornou obrigatória vacina de crianças
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News