Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021

Home em foco Holanda, Alemanha e Áustria podem voltar com medidas de isolamento social diante de nova alta da covid

Compartilhe esta notícia:

Um painel de especialistas que monitora a pandemia na Holanda recomendou nesta quinta-feira (11) a imposição da primeira quarentena na Europa Ocidental desde o verão no Hemisfério Norte, no meio do ano, pressionando o governo a tomar medidas impopulares para combater o aumento da covid-19.

Também há sinais de que a Alemanha e a Áustria podem reimpor medidas de isolamento social e de reforço ao combate ao vírus em breve.

O fortalecimento do enfrentamento ao coronavírus nos países europeus demonstra a dificuldade de se conter a rápida propagação da doença, mesmo após a introdução da vacina. Embora a maior parte dos que ficam doentes não tenha se vacinado, ainda assim o número de infecções, impulsionado por mais reuniões em espaços fechados em função do frio do outono, é alto o bastante para sobrecarregar sistemas de saúde.

As novas infecções por coronavírus na Holanda, país de 17,5 milhões, praticamente dobraram na última semana, para mais de 400 casos por 100 mil habitantes, e estão tão altas quanto nas piores semanas de dezembro do ano passado. Nesta quinta, houve um recorde de casos de cerca de 16.300 em 24 horas.

As medidas sob consideração incluem o cancelamento de eventos, o fechamento de teatros e cinemas e o fechamento antecipado de cafés e restaurantes, informou o canal NOS. As escolas permaneceriam abertas.

O gabinete do primeiro-ministro interino, Mark Rutte, deve decidir na sexta-feira sobre as medidas. Após a quarentena parcial de cerca de duas semanas, a entrada em locais públicos deve ficar restrita a pessoas que foram totalmente vacinadas ou que se recuperaram recentemente de uma infecção por coronavírus, de acordo com o conselho.

Embora a taxa de vacinação holandesa seja alta, de 68,9% na população em geral e de quase 85% dos adultos, hospitais em partes do país precisaram reduzir o atendimento regular para tratar pacientes com coronavírus. Em outubro, 56% dos pacientes holandeses hospitalizados com covid-19 em hospitais e 70% daqueles em terapia intensiva não estavam vacinados ou tinham sido apenas parcialmente vacinados.

Os pacientes com covid-19 não vacinados em hospitais holandeses tinham uma idade média de 59 anos, em comparação com 77 anos para os pacientes vacinados, mostraram dados fornecidos pelo Instituto de Saúde da Holanda (RIVM).

Até agora, a Holanda forneceu vacinas de reforço a um pequeno grupo de pessoas com sistema imunológico fraco. A terceira dose da vacina começará a ser oferecidas a pessoas com 80 anos ou mais em dezembro, e o governo pretende que ela pouco depois esteja disponível para qualquer pessoa com mais de 60 anos.

Alemanha

Na Alemanha, o provável novo chanceler, Olaf Scholz, do Partido Social-Democrata (SPD), afirmou que o governo “precisa preparar o país para o inverno”.

Membros da provável coalizão tríplice — que, além do SPD, inclui Os Verdes e Partido Liberal Democrático (FDP) — propuseram uma lei que permite que as medidas de higiene existentes, como uso obrigatório de máscaras em espaços públicos fechados, sejam aplicadas e reforçadas, sem contudo determinar quarentenas e toques de recolher como os adotados em surtos anteriores.

Os partidos também querem reabrir os centros de vacinação e restabelecer os testes gratuitos para a covid-19, disse Scholz em um discurso que abriu o debate sobre a lei no Parlamento.

Os testes gratuitos foram descontinuados em uma tentativa de incentivar mais cidadãos a tomarem as vacinas contra o vírus. Mesmo assim, o nível de vacinação caiu em cerca de 67% nas últimas semanas.

“O vírus ainda está aqui e ameaça a saúde de nossos cidadãos”, disse Scholz, atual ministro das Finanças e vencedor das eleições em setembro, no debate. “Portanto, é muito, muito importante que tomemos todas as medidas para garantir que possamos proteger sua saúde.”

Áustria

Na Áustria, o chanceler Alexander Schallenberg afirmou que o país deve impor medidas de distanciamento pessoas que não estão totalmente vacinadas contra a covid-19 em “questão de dias”.

A rejeição às vacinas é alta no páis. Cerca de 65% dos austríacos estão totalmente vacinados contra o coronavírus, a taxa mais baixa de qualquer país da Europa Ocidental, exceto Liechtenstein, de acordo com dados do Centro Europeu para Prevenção e Controle de Doenças.

Sob um plano governamental de setembro, uma vez 30% dos leitos de terapia intensiva estejam ocupados por pacientes com Covid, as pessoas não vacinadas têm restrito o seu direito de ir e vir, com bloqueios. O nível atual de ocupação é de 20% e está aumentando rapidamente.

“De acordo com o plano incremental, temos apenas alguns dias até que tenhamos que introduzir o bloqueio para pessoas não vacinadas”, disse o conservador Schallenberg, acrescentando que a taxa de vacinação da Áustria é “vergonhosamente baixa”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Bolsonaro exonera Onyx Lorenzoni do cargo de ministro do Trabalho para que ele cuide das emendas parlamentares na Câmara
Bolsonaro “dispara” contra ex-ministro Sergio Moro dizendo: “não aprendeu nada”
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde