Quinta-feira, 30 de Maio de 2024

Home Economia Inflação na Argentina bate em 109% no acumulado em 12 meses, nível mais alto em 30 anos

Compartilhe esta notícia:

A inflação na Argentina continuou a acelerar mais do que o previsto, atingindo os três dígitos em Abril, à medida que a venda do peso, desencadeada por receios de desvalorização, fez aumentar os custos.

Os preços ao consumidor em abril subiram 108,8% em relação ao ano anterior, o nível anual mais alto em três décadas e mais do que as expectativas dos economistas. Em relação ao mês anterior, os preços subiram 8,4%, bem acima das previsões dos economistas de 7,5%, segundo dados do governo.

Os preços dos alimentos, a maior categoria ponderada no índice da Argentina, subiram 10,1% em relação ao mês anterior. Roupas, restaurantes, hotéis e artigos para o lar também ficaram acima das estimativas. Apenas uma categoria, a de bebidas alcoólicas, apresentou aumento nos preços inferior a 5% numa base mensal.

Os temores de inflação explodiram no mês passado com a disparada de preços em março, exacerbando um ciclo vicioso em que o peso sofreu uma forte queda de 13% em mercados paralelos.

Esse recuo levou alguns poupadores argentinos a sacar mais de US$ 1 bilhão em depósitos em dólares, ou 6,7% do total, do sistema bancário no mês passado. A volatilidade do peso ajudou a alimentar aumentos adicionais de preços em abril.

Diante de uma perspectiva que piora rapidamente, as autoridades de Buenos Aires estão tentando renegociar o programa de US$ 44 bilhões da Argentina com o Fundo Monetário Internacional, na esperança de receber mais dinheiro antecipadamente.

No entanto, o governo não está cumprindo algumas das principais metas do programa, que costumam ser uma referência para o FMI aprovar quaisquer fundos.

A crise inflacionária da Argentina está ocorrendo antes das eleições presidenciais de outubro, com os economistas prevendo uma forte recessão este ano devido ao aumento constante dos preços e uma seca histórica que está arruinando as exportações de safras essenciais. A economia deve contrair 3,1% este ano, de acordo com o último relatório mensal do banco central.

O presidente Alberto Fernandez, que já anunciou que não se candidatará a um segundo mandato devido ao atual cenário econômico, recorreu a controles cambiais e congelamento de preços. Mais recentemente, seus reguladores intimidaram investidores e analistas no mercado local em uma tentativa malsucedida de reduzir os preços. Sua coalizão governante ainda não anunciou um candidato presidencial.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Manipulação de resultados no futebol: relembre outros escândalos no Brasil e no mundo
Fraude no futebol: grupo planejava ganhar R$ 1 milhão em dois dias
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News