Terça-feira, 16 de Julho de 2024

Home em foco Irritados com depoimento à Polícia Federal sobre tentativa de golpe de Estadp, militares e bolsonaristas chamam Freire Gomes de “traidor”

Compartilhe esta notícia:

Militares suspeitos de participação na tentativa de golpe de Estado e aliados políticos de Bolsonaro passaram o final de semana organizando uma estratégia para “fritar” o ex-comandante do Exército Freire Gomes.

A medida se deu após Gomes passar cerca de 7 horas depondo à Polícia Federal (PF) sobre o roteiro do golpe em curso durante o governo Bolsonaro.

O general depôs por mais de sete horas, começando por volta das 15h da última sexta-feira (1°) e terminando às 22h. Essa foi a oitiva mais longa desde o início da Operação Tempus Veritatis, da PF.

Freire Gomes, na condição de testemunha, colaborou – e muito – com as investigações. A preocupação é com o que pode existir de detalhamento de Freire Gomes a respeito de discussões sobre minuta do golpe, o papel do Ministério da Justiça e negativas de forma categórica de que houvesse qualquer indício de fraude em urnas.

Para investigadores, Freire Gomes é um personagem que teria evitado o golpe – por isso, para bolsonaristas e militares – e a informação de que ele decidiu falar como testemunha fez com que militares repassassem, no fim de semana, mensagens e vídeos uns aos outros chamando Freire Gomes de “traidor” e traçando estratégia para “queimar” Gomes.

Em um desses vídeos, que circula há dias entre militares, antes até do depoimento de Gomes à PF, aliados de Bolsonaro afirmam que “general que traiu Bolsonaro pode se complicar” e que ele “enrolou” e “enganou” Bolsonaro com discussões sobre artigos da Constituição. E que ele não ia interferir – mas tinha que “parecer” que ia.

Bolsonaristas irritados, agora, se esforçam para atribuir a Freire Gomes omissão por não ter esvaziado os acampamentos golpistas. Essa é a principal estratégia dos golpistas irritado com Gomes para “fritá-lo”.

Para a PF, o depoimento dele foi bastante esclarecedor, inclusive em relação a superiores dele, e ao papel do MJ à época.

Cid e as minutas

A PF espera fechar o enredo da investigação do roteiro do golpe com as informações obtidas no depoimento de Freire Gomes – e cruzando com Mauro Cid.

Cid será chamado a depor novamente para confirmar as informações levantadas pela PF sobre as minutas do golpe encontradas na investigação. Se mentir ou omitir, pode perder benefícios de sua delação premiada.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ex-comandantes das Forças Armadas complicam Bolsonaro
Novo depoimento do ex-ajudante de ordens de Bolsonaro ganha força após ex-comandantes confirmarem reunião para discutir minuta golpista
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa