Terça-feira, 17 de Maio de 2022

Home em foco Novo estudo explica como o coronavírus ataca o olfato

Compartilhe esta notícia:

A anosmia, ou perda do olfato, é um dos sintomas mais característicos, incômodos e persistentes da covid. Levantamento recente estima que o problema afete entre 30% e 75% das pessoas infectadas. Alguns pacientes recuperam esse sentido assim que a infecção acaba.

Entretanto, cerca de 12% das pessoas podem ficar meses sem a capacidade de sentir cheiros direito. Até agora, pouco se sabia sobre como a doença leva a esse problema, mesmo sem congestionar o nariz. Um estudo publicado recentemente na revista científica Cell parece ter resolvido esse mistério.

Trabalhos anteriores já haviam mostrado que o Sars-CoV-2 não teria capacidade de invadir diretamente os neurônios, já que eles não possuem o receptor ECA2, utilizado pelo vírus para invadir as células.

De acordo com pesquisadores do Instituto Zuckerma, da Universidade Columbia e da Universidade de Nova York, o novo coronavírus realmente não infecta diretamente os neurônios que detectam odores.

Em vez disso, ele ataca as células epiteliais, aquelas que revestem a cavidade nasal e dão suporte aos neurônios. Isso causa inflamação que, por sua vez, afeta o funcionamento das células nervosas sensoriais responsáveis pelo olfato.

“Agora sabemos que, na prática, o coronavírus não consegue entrar no neurônio. Mas ele encontra uma maneira de indiretamente afetar sua função”, diz o geneticista Salmo Raskin.

A equipe chegou a essa conclusão após analisar hamsters dourados e amostras de tecidos de 23 pacientes que morreram em decorrência da covid. Os resultados mostraram que a resposta gerada para combater o vírus gera uma avalanche de células imunes, microglia e células T.

O problema é que essas células liberam substâncias inflamatórias chamadas citocinas, que danificam os receptores olfativos, proteínas na superfície das células nervosas do nariz que detectam e transmitem informações sobre odores.

Estudos anteriores realizados mostraram que os neurônios que detectam cheiros têm estruturas organizacionais complexas. O processo inflamatório altera essa sofisticada organização, causando uma espécie de curto-circuito que reduz a atividade dos genes necessários para a produção desses receptores.

“Para tentar matar as células infectadas, o organismo provoca uma resposta imunológica. Isso gera uma inflamação no local, que interfere na arquitetura do núcleo do neurônio”, explica Raskin.

A boa notícia é que esses neurônios não morrem. Ou seja, a perda do olfato é temporária. Assim que a infecção desaparece, o sistema pode se recuperar.

Por outro lado, isso pode levar semanas ou até meses para acontecer. A expectativa é que a descoberta possa levar à identificação de novos tratamentos para esses sintomas persistentes.

“Se ficar comprovado que a perda de olfato é causada por uma questão inflamatória, talvez o tratamento possa ser anti-inflamatório e não antiviral”, diz Raskin.

Os pesquisadores já avaliam, por exemplo, se o uso de esteroides em hamster com covid longa pode conter essa inflamação e proteger a arquitetura dos genes.

O novo estudo também abre caminho para explicar o aparecimento e a persistência de outros sintomas neurológicos associados à doença, como confusão mental, dor de cabeça e depressão, relatados por muitos pacientes com covid longa.

“Se isso acontece nesse tipo de neurônio, pode acontecer em outros e explicar todos os problemas neurológicos da covid longa.”

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Já em vigor, decreto que desobriga uso de máscaras em locais fechados não é unanimidade nas ruas do Rio de Janeiro
Presidente da Ucrânia diz que “moderou” exigência de adesão do país à Otan e pode negociar territórios
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde