Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home em foco O inesperado impacto positivo dos videogames na visão e na atenção

Compartilhe esta notícia:

Se você tem dificuldade de realizar várias tarefas ao mesmo tempo, ignorar as distrações do dia a dia e priorizar sua lista de afazeres, os videogames podem ser um grande aliado. Pesquisas recentes sugerem que certos jogos podem tornar sua mente mais afiada, reforçar sua memória de trabalho, melhorar seu foco, suas habilidades espaciais e até mesmo sua visão.

“Como mãe de três filhos, eu pensava a mesma coisa. Como cientista no laboratório, fiquei muito surpresa ao descobrir que alguns videogames têm efeitos positivos no cérebro e no nosso comportamento”, diz a neurocientista cognitiva Daphné Bavelier, cuja pesquisa usou eletrodos presos ao couro cabeludo de jogadores para entender o que acontece no cérebro enquanto se joga videogame.

Jogos de ação

Os games de ação — aqueles que envolvem tomar decisões rápidas, navegar em diferentes ambientes e encontrar alvos visuais — parecem oferecer os benefícios cognitivos mais significativos.

“Jogos de tiro em primeira e terceira pessoa realmente reforçam o quão bem você presta atenção. Eles também melhoram o quão bem você enxerga ou escuta — o que chamamos de percepção. E revelam ainda uma melhora acentuada na cognição espacial e na memória de trabalho e na capacidade multitarefa”, afirma Bavelier. “Na verdade, são benefícios que têm potencial de uso no dia a dia.”

O que acontece é que, ao jogar esses games, você está treinando seu cérebro. “Nós ativamos uma rede de áreas no córtex frontal, outras no córtex parietal — uma rede que é conhecida por ser responsável pela atenção descendente. Essa rede fica mais reforçada e muito mais eficiente no processamento de informações”, explica a neurocientista.

Um estudo de 2003 descobriu não apenas que jogadores de videogame eram melhores em resolver quebra-cabeças visuais do que aqueles que não jogavam — como foram necessários apenas 10 dias de prática de videogame para melhorar o desempenho destes últimos.

Ainda mais surpreendente, os jogos de ação também demonstraram aumentar a massa cinzenta em uma área associada ao raciocínio abstrato e à resolução de problemas.

Em relação à visão, um estudo recente revelou que jogar 50 horas de games de ação por nove semanas – um pouco menos de 1 hora por dia – melhora a sensibilidade ao contraste.

Em outras palavras, você é mais capaz de distinguir entre tons de cinza, o que é útil quando você está dirigindo à noite ou em outras situações de baixa visibilidade. E a sensibilidade ao contraste parece piorar naturalmente à medida que envelhecemos.

Infelizmente você não obtém todos estes benefícios jogando games mais calmos — é importante que sejam jogos de ação.

“Fazemos estudos de treino em laboratório, em que pedimos que os participantes pratiquem jogos de tiro em primeira ou terceira pessoa ou outros tipos de jogos, como jogos de simulação social ou jogos de quebra-cabeça. E descobrimos que apenas aqueles que treinavam jogos de tiro em primeira e terceira pessoa apresentavam essa atenção aprimorada”, revela a neurocientista.

Mas não precisam ser necessariamente jogos violentos. Em um estudo, por exemplo, participantes foram convidados a jogar um game que envolvia resolver enigmas e coletar moedas como recompensa. Eles jogaram 30 minutos por dia durante 3 meses. Ao final do estudo, o hipocampo, a parte do cérebro que é vital para a memória, havia sido aprimorado.

E os contras?

Os videogames também têm um lado sombrio. Os fabricantes costumam usar todos os tipos de artifícios para manter os usuários jogando por mais tempo — e alguns jogos podem ser viciantes. Quanto mais você joga, mais quer jogar.

“Há diferentes mecânicas de jogo que podem levar a um comportamento mais ou menos insalubre. E, na verdade, os games que parecem ser jogados mais compulsivamente são aqueles em que não há um final claro. Portanto, há uma responsabilidade do ponto de vista dos designers de jogos em definir um final claro para as partidas”, diz Bavelier.

E será que alguns games também podem deixar os jogadores mais agressivos? Uma meta-análise de 28 estudos, publicada em 2020, pela Royal Society, com base em dados coletados de mais de 21 mil jovens, encontrou uma pequena correlação entre violência e videogames em um quarto dos estudos — mas nenhuma correlação na maioria deles.

Os pesquisadores concluíram que as evidências mostram que “os impactos de longo prazo dos jogos violentos na agressividade dos jovens são próximos a zero”.

No entanto, esse é um tema que ainda desperta calorosos debates.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Fungos podem ser a causa da rápida progressão do câncer de pâncreas
Polícia prende integrantes de esquema de compra de produtos pela internet com cartões clonados
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde