Quinta-feira, 26 de Maio de 2022

Home Saúde Fungos podem ser a causa da rápida progressão do câncer de pâncreas

Compartilhe esta notícia:

Estudo publicado na quinta-feira, na revista Cancer Cell, mostrou que um mecanismo surpreendente está por trás do rápido crescimento do câncer de pâncreas: fungos. De acordo com pesquisadores do Roswell Park Comprehensive Cancer Center, nos Estados Unidos, a descoberta abre caminho para o desenvolvimento de novos tratamentos para esta doença altamente agressiva e resistente às terapias.

Leia também:Mulher precisa de transplante de fígado com urgência após tomar produto ‘emagrecedor’

— Um pâncreas saudável é tipicamente estéril, com a notável exceção da pancreatite. Este é um dos primeiros estudos a mostrar a presença de um fungo dentro de um tumor — diz em comunicado o autor sênior do estudo Prasenjit Dey, do Departamento de Imunologia do Roswell Park.

O adenocarcinoma ductal pancreático (PDAC) é o principal tipo de câncer pâncreas, representando mais de 90% de todos os casos da doença. Esse tipo de tumor é agressivo e praticamente incurável já que os medicamentos quimioterápicos atualmente disponíveis geralmente não conseguem penetrar no estroma denso que envolve esses tumores.

 

Futuro: Alemanha começará a criar porcos doadores de órgãos para humanos

Uma marca registrada do câncer ductal de pâncreas é a mutação do gene Kras, que inicia a formação de tumores e impulsiona a progressão da doença. Em um estudo anterior, a equipe do Roswell Park Comprehensive Cancer Center descobriu que uma mutação específica desse gene, chamada KrasG12D, desencadeia a produção e liberação da proteína interleucina-33 (IL-33), que por sua vez estimula o crescimento do tumor.

No novo estudo, os pesquisadores queriam confirmar se a remoção genética da IL-33 diminuiria a carga tumoral, prologando a sobrevida. Esse objetivo foi alcançado. Surpreendentemente, eles também descobriram que a proliferação de dois fungos está associada à essa liberação da IL-33 e, portanto, ao crescimento do tumor.

Ômicron:com maior risco de infectar vacinados, subvariante BA.2 pode retardar declínio de casos

— Os dois tipos de fungos identificados neste estudo foram o Malassezia e Alternaria, que provavelmente invaem o pâncreas a partir do duodeno e promovem progressão do tumor — diz o endocrinologista Antonio Carlos do Nascimento, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (Sbem).

Testes laboratoriais realizados em seguida mostraram que o tratamento antifúngico diminuiu significativamente a progressão desse tipo de câncer. Para Nascimento, isso abre uma grande perspectiva na condução futura desse tipo de tumor pancreático.

PUBLICIDADE

Saúde mental:Veja quais são os melhores alimentos para a saúde do seu cérebro

— Embora a ligação definitiva entre os componentes fúngicos e a secreção de IL-33 ainda não tenha sido definida, nosso estudo sugere que o tratamento antifúngico, combinado com quimioterapia ou imunoterapia para reduzir ou eliminar a IL-33 em tumores — conclui Dey.

A próxima etapa consiste em avaliar a eficácia de um tratamento que combina justamente um antifúngico com um imunoterápico em pacientes com a doença.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Apple deve apresentar novos modelos de iPhone e iPad daqui a um mês
O inesperado impacto positivo dos videogames na visão e na atenção
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Madrugada