Segunda-feira, 15 de Agosto de 2022

Home Brasil Ômicron avança e exige acelerar vacinação a todas as faixas etárias

Compartilhe esta notícia:

Enfermeira, diabética, obesa e hipertensa: há um ano, Mônica Calazans aparecia na tela de milhões de brasileiros e se tornava um símbolo como a primeira pessoa vacinada no Brasil contra a covid. Em 17 de janeiro de 2021, a doença havia deixado 209.868 mortos. Agora, cerca de 68% da população estão totalmente vacinados, mas o Brasil ainda enfrenta o desafio de alcançar todas as faixas etárias com a imunização.

Em fevereiro de 2021, o Plano Nacional de Operacionalização da covid do Ministério da Saúde estimava que, considerando a transmissibilidade do coronavírus, cerca de 60% a 70% da população precisaria estar imune para “interromper a circulação do vírus”. Nessa perspectiva, seria necessária a vacinação de 70% ou mais da população para redução considerável da doença. Quase um ano depois, o cenário mudou diante do surgimento de variantes mais transmissíveis, como a Ômicron. Assim, especialistas agora estimam que a cobertura vacinal seja ampliada para chegar o mais rapidamente possível aos 100% da população — ou muito perto disso.

Com a variante Ômicron, o coronavírus se torna o primeiro vírus a deflagrar esse novo conceito. Até então, os especialistas lidavam com a meta de segurança de 90% para as doenças com maior capacidade de alastramento. Mas a nova cepa se mostrou a mais transmissível de todos os vírus. O avanço da vacinação se revelou fundamental para frear o rastro de destruição do novo coronavírus e evitar que a triste marca de mais de 620 mil vidas ceifadas pela covid fosse ainda maior.

Imunização infantil

Médicos apontam que imunizar crianças e impulsionar as doses de reforço representam os principais obstáculos ao controle da pandemia no país em meio ao cenário de rápida disseminação da Ômicron. Intensificar a testagem e reduzir o abandono vacinal — pessoas que não comparecem para tomar a segunda dose — completam as pontas soltas no combate ao vírus.

“Nós temos que alcançar no Brasil 90%, 100% da população completamente imunizados, isto é, com duas doses e com reforço e também vacinar as crianças, porque elas são muito transmissoras (do coronavírus) naturalmente. Vacinar crianças é muito estratégico (para controlar a pandemia)”, afirma a pneumologista e pesquisadora da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Margareth Dalcomo.

Além da completude do ciclo, as análises apontam que é preciso garantir a imunização total das crianças, grupo considerado mais vulnerável no cenário atual, sobretudo com a transmissão acelerada da variante Ômicron. A vacinação de brasileiros de 5 a 11 anos começou na última sexta-feira após resistência do governo federal. Serão 4,3 milhões de doses entregues em janeiro e, no total, 20 milhões no primeiro trimestre, o que significa que o país não conseguirá imunizar totalmente os brasileiros dessa faixa etária antes da volta às aulas. Essa perspectiva é considerada um ponto de atenção por especialistas e reforça a indicação para que medidas de proteção sejam intensificadas, como o uso de máscaras e o distanciamento social.

“É um momento de expectativa, de esperança, mas é fundamental, de fato, que essa vacinação tenha um bom ritmo, que abranja todas as faixas etárias, que aqueles que se vacinaram com a primeira dose completem o esquema vacinal e que toda a população possa ser vacinada. De fato, é como se diz: só estaremos protegidos quando todos estiverem protegidos. Isso vale para o Brasil e para o mundo”, analisa a presidente da Fiocruz, Nísia Trindade.

Atualmente, há estudos em andamento para habilitar vacinas para menores de seis meses a 4 anos. A Pfizer, cujo imunizante é o único autorizado para crianças no país, já realiza testes na faixa etária que agrega bebês e crianças menores. Em dezembro do ano passado, a Anvisa autorizou a vacinação contra a covid-19 de crianças entre 5 e 11 anos de idade.

“Temos vacinas (para outras doenças) hoje para crianças com 10 dias, recém-nascidas. Espero que se ampliem os estudos e possamos ter vacinas contra covid para todas faixas etárias. Iremos avaliar esses imunizantes com o mesmo rigor, independentemente de ameaça. A Anvisa não se curvará às ameaças. É importante ampliar as vacinas de forma segura e passar isso à população, de que essas vacinas são analisadas com o maior rigor técnico, de forma que todos possam ofertar seu braço a se vacinar, inclusive os recém-nascidos, se assim viermos a ter uma vacina para bebês “, afirmou a diretora da Anvisa, Meiruze Freitas, responsável pela área de vacinas.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

São Paulo supera média diária de mil internações por covid pela primeira vez desde agosto
Em visita a Moscou marcada para fevereiro, Bolsonaro tentará mostrar que não está isolado
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa