Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Brasil Organização Mundial da Saúde alerta Brasil para que prepare para uma nova onda de codi

Compartilhe esta notícia:

A OMS (Organização Mundial da Saúde) alertou o Brasil sobre uma nova onda de casos de covid-19 no País. O diretor de operações da entidade, Mike Ryan, destacou a situação que a Europa e os Estados Unidos enfrentam com a chegada da variante ômicron do novo coronavírus.

“Provavelmente vamos continuar a ter ondas de transmissão em todo o mundo, e a América do Sul e o Brasil não são exceções”, disse Ryan.

Mike afirmou que o País teve duas grandes ondas de covid-19 por um longo período, situação que sobrecarregou o sistema de saúde e fez hospitais ficarem lotados. Ele ressaltou a importância da vacinação para estabilizar a situação.

O diretor da entidade também cobrou das autoridades locais, estaduais e federais um trabalho conjunto de preparação para uma nova onda de casos.

“Todos os países enfrentaram esses momentos [de hospitais lotados] nesta pandemia. […] É realmente necessário que haja trabalho conjunto das autoridades estaduais e federais, engajamento das comunidades e divulgação da eficácia das vacinas”, explica Ryan.

O diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, declarou que o rápido avanço da ômicron deve ser combatido com vacinas e políticas públicas de saúde.

“A ômicron está se movendo rapidamente. Não só a vacinação, mas também as medidas de saúde pública são necessárias para conter a onda de infecção, proteger os profissionais e o sistema de saúde, abrir as sociedades e manter as crianças na escola.”

Tedros comparou a circulação mútua da ômicron e da delta a um tsunami. “Estou extremamente preocupado com a possibilidade de que a Ômicron, sendo mais transmissível e circulando ao mesmo tempo que a Delta, esteja causando um ‘tsunami’ de casos.”

Fim da fase aguda

O ano de 2022 pode marcar “o fim da fase aguda da pandemia” de covid-19, afirmou Tedros, que ressaltou a importância da continuidade da prevenção diante da “dupla ameaça das variantes delta e ômicron” do coronavírus.

Mike Ryan acrescentou na mesma entrevista coletiva que no futuro próximo “é difícil que o vírus seja completamente eliminado, mas possivelmente o nível de sua transmissão ficará mais baixo, causando surtos ocasionais em populações não vacinadas”.

“Vamos acreditar que esse será o final, mas certamente ainda não chegamos lá e restam obstáculos que esperamos superar alcançando a igualdade na distribuição de vacinas”, disse.

Ao traçar um paralelo entre o atual coronavírus e a pandemia de gripo H1N1 de 2009, Ryan afirmou: “Esse vírus [da gripe A] segue entre nós, mas não provoca a morte e a destruição daquele ano porque vacinamos os mais vulneráveis”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Brasil

No Brasil, incidência da variante ômicron já chega a 70% dos casos de covid
Estados Unidos e Reino Unido atingem contágio recorde e promovem dose de reforço
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News