Domingo, 22 de Maio de 2022

Home Mundo Os Estados Unidos suspenderão sanções contra o Irã por seu programa nuclear

Compartilhe esta notícia:

O Departamento de Estado norte-americano suspenderá as sanções contra o Irã por seu programa nuclear. O gesto, anunciado nesta sexta-feira (04), é necessário para que os Estados Unidos retornem o acordo nuclear de 2015 entre Teerã e as principais potências do mundo.

A retomada das isenções, interrompidas em 2020 pelo ex-presidente republicano Donald Trump, “seria essencial para alcançar o rápido cumprimento por parte do Irã” de seus compromissos se um novo pacto para supervisionar o programa nuclear iraniano puder ser alcançado em negociações em Viena, na Áustria, explicou o funcionário.

A isenção permite que outros países e empresas participem do programa nuclear civil do Irã sem sofrerem sanções, em nome da promoção da segurança e não proliferação nuclear.

O programa civil inclui as crescentes reservas de urânio enriquecido do país. “Na ausência desta isenção de sanções, discussões técnicas detalhadas com terceiros sobre a remoção de estoques e outras atividades de valor de não proliferação não podem ocorrer”, disse o funcionário, que pediu anonimato.

A medida foi tomada quando as negociações para restaurar o Plano de Ação Conjunto Abrangente de 2015, ou JCPoA, do qual Trump se retirou unilateralmente em 2018, estavam em estágio avançado. O democrata Joe Biden agiu rapidamente para retornar ao acordo depois de se tornar presidente há um ano, mas o Irã, enquanto isso, se aproximou de produzir material físico suficiente para desenvolver uma arma nuclear.

As negociações de Viena, envolvendo Irã, Estados Unidos, Reino Unido, China, França, Alemanha e Rússia, estão em um estágio-chave em que as partes precisam tomar “decisões políticas críticas”, disse um alto funcionário americano na semana passada. “As discussões técnicas facilitadas pela isenção são necessárias nas últimas semanas das negociações do JCPoA”, concluiu o funcionário do Departamento de Estado nesta sexta-feira.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Senado deverá ter pelo menos oito novos senadores a partir de 2023
Assédio volta a crescer no Brasil na pandemia após longa tendência de queda
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News