Quarta-feira, 01 de Dezembro de 2021

Home em foco Perspectiva de derrota em pleito legislativo na Argentina aumenta incertezas sobre futuro do governo, que está rachado

Compartilhe esta notícia:

O resultado não deverá trazer grandes surpresas, a incógnita do momento são as consequências do revés eleitoral que o governo do presidente argentino, Alberto Fernández, deve sofrer nas eleições legislativas que serão realizadas neste domingo (14). Delas emergirá, afirmaram analistas locais, um Executivo desgastado e uma coalizão de governo peronista em crise.

Tal cenário vem alimentando uma usina de rumores sobre como fará a Casa Rosada para completar o mandato presidencial que termina em 2023, com um chefe de Estado que já é considerado por muitos um cadáver político e está sob ataques da ala governista comandada por sua vice-presidente, Cristina Kirchner.

Em paralelo, surgem dilemas para uma oposição que deverá confirmar e talvez até mesmo melhorar o desempenho de seus candidatos nas Primárias Abertas Simultâneas e Obrigatórias (Paso), realizadas em setembro passado. O fenômeno eleitoral Javier Milei, candidato a deputado na capital pelo partido Avança Liberdade, de extrema direita, preocupa a aliança Juntos pela Mudança, na qual convivem o ex-presidente Mauricio Macri (2015-2019), seus sucessores políticos — com destaque para o prefeito de Buenos Aires, Horacio Rodríguez Larreta — e a tradicional União Cívica Radical (UCR).

Visão nova

Sentindo-se esnobado por dirigentes que vêm ganhando protagonismo no cenário nacional, principalmente Larreta, o ex-presidente tem se mostrado interessado numa aproximação com Milei, provocando especulações sobre uma eventual frente de direita para as eleições presidenciais de 2023.

“Ele [Milei] expressa as ideias que eu sempre expressei”, disse Macri recentemente, no que pareceu um recado para os que tentam minar sua liderança dentro da aliança opositora.

Na esteira do fortalecimentos da direita em países vizinhos, entre eles Brasil e Chile, a Argentina vive um movimento inédito desde a redemocratização do país, em 1983. Ser de direita deixou de ser malvisto por amplos setores da sociedade, de todas as classes sociais. Essa novidade instala um dilema para a coalizão Juntos pela Mudança, que, segundo analistas, tem grandes chances de recuperar o poder daqui a dois anos.

Na eleição de domingo os argentinos renovarão a metade da Câmara e um terço do Senado, presidido por Cristina. Atualmente, a governista Frente de Todos tem 120 deputados, de um total de 257, e seu objetivo original era manter as 52 cadeiras que estão em jogo ou até ampliar sua bancada.

O cenário mais pessimista é o de que o governo perca entre cinco e nove deputados. Já a Juntos pela Mudança tem hoje 115 cadeiras e espera preservar as 60 que estarão em disputa, além de conseguir mais seis ou até oito novos deputados.

“O esperado é que a Juntos pela Mudança passe a ser a primeira minoria na Câmara. A grande questão é como o governo vai administrar a derrota, porque a Frente de Todos [aliança entre peronistas e kirchneristas] nasceu para ganhar eleições e não perder”, explica Diego Reynoso, professor e pesquisador da Universidade San Andrés.

O analista não descarta que o governo perca o comando da Câmara, hoje em mãos do poderoso Sergio Massa, para muitos um dos cotados para disputar a Presidência em 2023.

Nas primárias de setembro, a Frente de Todos ficou em primeiro lugar, pela soma total de votos, em apenas seis dos 24 distritos eleitorais argentinos — 23 províncias e a capital do país —, sendo derrotada até mesmo na província de Buenos Aires, onde vive um terço do eleitorado nacional e onde Cristina tinha, até agora, seu feudo político mais fiel.

O governo corre o risco de perder o controle do Senado, onde tem atualmente 41 cadeiras, de um total de 72, e precisa renovar 15. A oposição, por sua vez, tem hoje 25 senadores e poderia aumentar sua presença.

“Muitos se perguntam como serão os próximos dois anos, eu vejo um governo aos trancos e barrancos, mas não vejo uma radicalização nem um final antecipado”, opina Juan Negri, da Universidade Di Tella.

Em Buenos Aires, já se fala na convocação de um grande acordo nacional por Fernández após a eleição. O presidente enfrenta um cenário profundamente delicado: crise econômica, financeira, social e política e a necessidade de selar um acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). O problema, para o chefe de Estado, é que sua vice não está interessada em acordos e diálogo político. Cristina tem hoje duas grandes preocupações: sua situação judicial e a de seus filhos e o poder político do kirchnerismo nas eleições de 2023.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Com cenário de inflação alta e retração de comércio e indústria em setembro, bancos preveem recessão no Brasil em 2022
Rio de Janeiro mantém uso de máscaras em locais fechados e transportes, mas suspende todas as demais restrições
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde