Sábado, 02 de Julho de 2022

Home em foco Pfizer planeja produzir até 100 milhões de vacinas adaptadas para a ômicron no 1º trimestre

Compartilhe esta notícia:

A Pfizer está avançando nos planos de fabricar de 50 milhões a 100 milhões de doses de uma nova versão específica de sua vacina contra o coronavírus para a variante ômicron, um reflexo das crescentes preocupações de que as formulações atuais de vacinas possam precisar ser ajustadas para a nova ameaça. A farmacêutica também está testando combinações híbridas da vacina para atingir várias formas de coronavírus, assim como doses maiores.

As doses específicas para a ômicron serão criadas “sob risco”, disse o CEO Albert Bourla na segunda-feira (10), o que significa que, se não forem necessárias, a Pfizer absorverá os custos. A empresa subiu para a liderança na produção global de vacinas com 3 bilhões de doses em 2021 e planeja produzir até 4 bilhões de doses em 2022. Se for necessário lançar uma vacina para a variante ômicron, a Pfizer estará pronta, disse Bourla. “Em termos de fabricação, agora temos uma capacidade tão grande construída que não será um problema mudar imediatamente”, disse o CEO.

Bourla divulgou os planos de fabricação em uma conferência anual de saúde patrocinada pelo JPMorgan Chase, mas não forneceu o número de doses envolvidas. Um porta-voz da Pfizer, Steven Danehy, disse em um e-mail na terça-feira (11) que “esperamos ter 50-100 milhões de doses da vacina específica para a ômicron disponíveis no final de março/início de abril”.

O rápido desenvolvimento e as mudanças de fabricação são possibilitados pela nova tecnologia de vacina de mRNA implantada pela Moderna e pela Pfizer, com o parceiro alemão BioNTech.

As empresas disseram que leva cerca de 90 dias a partir do sequenciamento genético de uma nova ameaça para produzir uma nova vacina de nanopartículas lipídicas contendo a carga útil de mRNA atualizada, que é um prazo extraordinariamente rápido para o desenvolvimento da vacina.

A Pfizer anunciou no começo desta semana um acordo de licenciamento com uma empresa de San Diego, a Codex DNA, que possui um processo de fabricação de DNA sintético que deve reduzir ainda mais o tempo de desenvolvimento, para apenas 60 dias, disse Bourla.

O coronavírus está provando ser um inimigo formidável, acrescentou Bourla, com imunidade de vacinas e infecções naturais diminuindo rapidamente. Reforços anuais podem ser necessários para a próxima década, disse ele.

A Moderna também está testando diferentes formulações de vacinas, incluindo uma híbrida que combinaria uma vacina contra a gripe e uma vacina contra o coronavírus, disse o CEO da Moderna, Stéphane Bancel, na conferência. A Moderna está se esforçando para ter um imunizante para a ômicron disponível até o outono, em preparação para um provável surto de coronavírus no próximo inverno, disse ele. A empresa está tentando criar uma dose anual e única que englobará vários vírus respiratórios, disse ele, “uma franquia que evoluirá a cada ano”.

Mas, à medida que os fabricantes de medicamentos lutam para acompanhar as mutações do vírus e o declínio da imunidade, a demanda por reforços e, potencialmente, vacinas e híbridos direcionados a variantes, estão causando alarme entre as autoridades e defensores da saúde global.

Citando padrões de distribuição desiguais ao longo do ano passado, eles dizem que a maioria das vacinas adicionais serão reservadas por nações ricas e atrasarão ainda mais o tempo que a África e os países em desenvolvimento em outros lugares recebem substancialmente vacinas de suas populações.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ministro da Saúde diz que enviará nesta semana documento sobre autoteste para covid
Saiba como funcionam os autotestes para covid; veja o passo a passo
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde