Sexta-feira, 19 de Agosto de 2022

Home Ciência Por que a Terra registrou o dia mais curto da história em 29 de junho

Compartilhe esta notícia:

No último dia 29 de junho, a Terra registrou seu dia mais curto desde que os cientistas começaram a usar relógios atômicos de alta precisão para medir a velocidade de rotação do nosso planeta, nos meados de 1960.

De acordo com um levantamento feito pelo site Time and Date com dados do Serviço Internacional de Sistemas de Referência e Rotação da Terra (IERS, na sigla em inglês), a Terra completou uma volta completa em torno do seu eixo com 1,59 milissegundo a menos que exatas 24 horas (1 ms corresponde a um milésimo de segundo, ou cerca de 0,001s).

Para você ter uma ideia, um piscar de olhos dura 300 milissegundos. Em outras palavras, o tempo que você perdeu neste dia equivale a pouco mais da 300ª parte de um piscar de olhos, e só é possível perceber com instrumentos muito precisos.

A título de comparação, em média, um dia solar nos últimos 365 dias do ano teve -0,29 ms que 24 horas. Hoje, por exemplo, a estimativa é que o dia tenha 0,0003878 segundos a menos que 24 horas. Já em 2019, o dia mais curto registrado foi 16 de julho, com menos 0,95 milissegundos.

Apesar dessas diferenças pontuais, a rotação do planeta está diminuindo de forma geral por causa das forças de maré entre a Terra e a Lua.

O cientistas estudam isso porque a precisão dos sistemas de medição de tempo é algo importante para diversas tecnologias modernas. Receptores de GPS, por exemplo, dependem dessa precisão para decodificar seus sinais de localização.

A Nasa, a agência espacial norte-americana, explica que na época dos dinossauros, a Terra completava uma rotação em cerca de 23 horas, enquanto que no ano de 1820, o movimento levava exatamente 24 horas.

Outro fato contribuinte é que durante os anos de El Niño, por exemplo, a rotação da Terra pode diminuir um pouco por causa de ventos mais fortes, aumentando a duração de um dia em uma fração de milissegundo.

Em 2016, justamente por causa desse fenômeno, o IERS chegou a anunciar a adição de uma espécie de “segundo bissexto” para manter os padrões mundiais de referência de tempo.

Mas o que explica os segundos a menos nos anos recentes?

A resposta para isso ainda é incerta e será explorada por cientistas em eventos e congressos especializados. Porém, se confirmada essa tendência a longo prazo, pesquisadores já debatem se precisaremos de um “segundo bissexto negativo”, subtraindo esse número pequeno, mas significativo, nos nossos relógios.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Ciência

Asteroide “surpresa” passou próximo à Terra dias após ser descoberto
Colonoscopia: saiba quem deve fazer o exame que detecta doença de Simony
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde