Terça-feira, 24 de Maio de 2022

Home em foco Presidente da Ucrânia diz que não responderá a provocações da Rússia

Compartilhe esta notícia:

Relatos de que a Ucrânia está bombardeando regiões controladas por separatistas apoiados por Moscou e dentro da fronteira russa são “puras mentiras”, disse o presidente da Ucrânia no sábado, acrescentando que seu país não responderá a provocações.

O presidente Voldymyr Zelenskiy falou com autoridades seniores de segurança do Ocidente na Conferência de Segurança de Munique anual, na Alemanha, em meio a relatos de explosões dentro do território russo ao leste da Ucrânia, e nas regiões separatistas da Ucrânia.

“O que foi mostrado nos territórios temporariamente ocupados, algumas bombas supostamente voando do nosso lado, algumas voando até Rostov, são puras mentiras”, disse. “Eles estão explodindo algo no lado deles.”

Zelenskiy pediu que os países ocidentais não esperem uma possível invasão russa para impor sanções à Rússia.

A Rússia, que acumulou cerca de 150.000 soldados nas fronteiras com a Ucrânia no leste, disse que para sua própria segurança de longo prazo precisa de um compromisso de que Kiev nunca se juntará à aliança militar da Otan.

Mas líderes de países ocidentais, que acreditam que a Rússia está preparando uma possível invasão à Ucrânia, disseram que a Rússia enfrentaria severas consequências se atacasse, alertando Moscou contra tentativas de remodelar as fronteiras da Europa.

A Ucrânia e membros da Otan recusaram a descartar a possibilidade de Kiev um dia se juntar à aliança, embora poucos esperem que isso ocorra em breve.

Paz

Volodymyr Zelensky reuniu-se com a vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, em Munique, durante a Conferência de Segurança na cidade alemã.

Na conversa, Zelensky afirmou que a Ucrânia está em busca de “paz”, após os EUA afirmarem que a Rússia poderia invadir o país nos próximos dias. Em fala breve, Zelensky também disse que a Ucrânia procura apoio específico dos Estados Unidos para seu exército.

Já em pronunciamento na conferência, o chefe de Estado pediu mais apoio do Ocidente e reforçou que vai defender o próprio país “com ou sem parceiros”. “Todos devem entender que não estamos pedindo uma doação”, disse.

“Não é apenas um gesto de generosidade, mas isso é uma contribuição de vocês para a segurança da Europa, para qual a Ucrânia tem servido como um escudo por oito anos já”, prosseguiu.

Zelensky observou que o planeta já perdeu “milhões de vidas” com duas guerras mundiais e que é preciso ter “esperança” para não ocorrer um terceiro conflito.

“O mundo já pagou um preço muito alto com duas guerras mundiais e nós não podemos seguir nessa tendência. E não tornar isso uma tendência. Nós precisamos construir um novo sistema, antes que tenhamos milhões de vítimas”, afirmou Zelensky.

O líder ucraniano discursou em meio à escalada de tensões na fronteira entre Ucrânia e Rússia e afirmou que pelo menos 150 mil soldados russos fortemente armados estão na região.

Zelensky pediu paz, em nome da Ucrânia e do mundo, ressaltando que “o mundo está dizendo que não pode haver uma guerra, enquanto a Rússia diz que também não quer intervir”. Para ele, “alguém está mentindo”.

O presidente também convocou uma reunião do Conselho de Segurança da ONU em vista da escalada militar em torno da Ucrânia e acrescentou que é necessário um roteiro para uma “possível integração da Ucrânia na aliança” da Organização do Tratado do Atlântico do Norte (Otan).

“Nas próximas semanas é necessário buscar novas garantias de segurança para a Ucrânia com os países do Conselho de Segurança e com a participação da Europa, Alemanha e Turquia “, concluiu.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

“Dia C” de vacinação: em Porto Alegre, quase 3 mil crianças receberam neste sábado a primeira dose contra covid
“Me deixa, por favor!”, disse brasileira antes de ser morta pelo pai dos próprios filhos na Argentina
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde