Segunda-feira, 04 de Julho de 2022

Home Mundo Presidente dos Estados Unidos diz que usaria força militar para defender Taiwan de invasão chinesa

Compartilhe esta notícia:

O presidente Joe Biden disse, nesta segunda-feira (23), que os Estados Unidos estão dispostos a responder “militarmente” se a China intervir em Taiwan com o uso de força.

“Esse é o compromisso que assumimos”, afirmou Biden em Tóquio, no Japão, durante uma entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida. “Nós concordamos com a política de Uma China. Aderimos a ela e a todos os acordos resultantes feitos a partir daí, mas a ideia de que Taiwan pode ser tomada à força, é simplesmente não apropriada”, declarou o norte-americano.

No ano passado, o presidente norte-americano fez declarações semelhantes, mas a Casa Branca interviu e afirmou que a política de longa data dos EUA não mudou em relação à ilha.

Taiwan fica a menos de 177 quilômetros da costa da China. Por mais de 70 anos, os dois lados foram governados separadamente, mas isso não impediu o Partido Comunista da China de reivindicar a ilha como sua – apesar de nunca tê-la controlado.

Nas últimas semanas, Pequim enviou dezenas de aviões de guerra para a Zona de Identificação de Defesa Aérea de Taiwan, e o presidente chinês Xi Jinping disse que a “reunificação” entre China e Taiwan é inevitável, se recusando a descartar o uso da força.

Biden comparou uma potencial invasão de Taiwan pela China com a guerra na Ucrânia. Ele também enfatizou que “a Rússia tem que pagar um preço de longo prazo por suas ações”.

Em resposta a Biden, o Ministério das Relações Exteriores da China afirmou que os EUA não devem defender a independência de Taiwan. “A China não tem espaço para compromissos ou concessões em questões relacionadas à sua soberania e integridade territorial”, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Wang Wenbin, em uma entrevista coletiva em Pequim.

“Ninguém deve subestimar a firme resolução, vontade e capacidade do povo chinês de defender sua soberania nacional e integridade territorial e não deve se opor aos 1,4 bilhão de chineses”, disse Wenbin.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Mundo

Mundo ganha 573 ultrarricos durante a pandemia de coronavírus, aponta a Oxfam
Primeiro soldado russo acusado de crimes de guerra é condenado à prisão perpétua na Ucrânia
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde