Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home Rio Grande do Sul Sobrevivente da tragédia na Boate Kiss diz que a ideia da casa era “quanto mais gente melhor” nas festas realizadas no local

Compartilhe esta notícia:

Kátia Giane Pacheco Siqueira foi a primeira testemunha a ser ouvida, nesta quarta-feira (1º), no julgamento dos réus do incêndio na Boate Kiss, realizado em Porto Alegre. A mulher, que trabalhava na cozinha e no bar do estabelecimento, teve 40% do corpo queimado e ficou 21 dias desacordada.

Ela fez cinco cirurgias de enxerto de pele e sessões de fisioterapia. Durante o seu depoimento, Kátia confirmou que a boate estava lotada na noite da tragédia. A sobrevivente disse que a ideia da casa era “quanto mais gente melhor” nas festas que ocorriam no local.

Ela afirmou que a orientação da boate em todos os eventos era de que as pessoas só saíssem após o pagamento da comanda. A mulher disse que não lembra de ter ouvido alguém alertando sobre o fogo na noite da tragédia e confirmou que era difícil sair da boate.

“Era um labirinto. Eu mesma trabalhava lá e quase não consegui sair”, disse Kátia. Ela revelou que havia uma barra de contenção na boate, e as pessoas da frente eram esmagadas, empurradas pelas que vinham atrás. A ex-funcionária contou que viu pessoas indo em direção ao banheiro e tentou avisar que a saída era do outro lado.

Questionada pelo promotor de Justiça David Medina da Silva, a depoente disse não lembrar se havia extintores disponíveis na cozinha da Kiss.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

Acordos com países da Ásia podem levar fechamento de indústrias gaúchas de vestuário
Fundação Escola Superior do Ministério Público sela parceria inédita com o Codesul
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde