Quarta-feira, 19 de Janeiro de 2022

Home em foco Taxa de mortalidade por covid entre grávidas é cinco vezes maior entre as não vacinadas

Compartilhe esta notícia:

Um estudo mostra que a taxa de mortalidade por covid de grávidas é cinco vezes maior entre aquelas que não foram vacinadas contra a doença.

Apesar da importância da vacinação, duas em cada três grávidas não se vacinaram. É um número baixo de imunizadas, o que causa preocupação, segundo o Observatório Obstétrico Brasileiro da Covid, que fez o levantamento.

De acordo com a pesquisa, a chance de uma gestante que não tomou a vacina morrer é cinco vezes maior do que a que tomou as duas doses do imunizante.

“Para quem não se vacinou e teve que ser internada por Covid, a chance de morrer é de 15%. Para quem tomou uma dose da vacina, isso cai para 9% e, para quem tomou as duas doses, cai para 3%”, afirma Rossana Pulcineli Francisco, obstetra do HC-USP.

Senado aprova regras para o retorno de gestantes ao trabalho presencial; lista inclui vacinação

O estudo analisou os números do DataSUS sobre a vacinação contra a covid, desde o início até o dia 24 de novembro do ano passado.

A médica Rossana Francisco diz que a falta de direcionamento correto das autoridades e a desinformação foram os principais motivos para a baixa adesão das grávidas à vacina:

“As gestantes resistiram em se vacinar por conta de fake news. Muito medo. Foram muitas notícias falsas dizendo que haveria um risco maior para gestante e o que a gestante tem que ter medo é de pegar a covid ou mesmo de pegar uma H3N2″.

O organismo da mulher grávida sofre uma queda de imunidade por conta da gestação e ela pode desenvolver formas mais graves de covid.

“Essa queda da imunidade acaba propiciando que essa infecção seja mais forte e a gestante tem outra condição também: quando o útero cresce, ele empurra o diafragma para cima. Então o pulmão fica, vamos dizer assim, mais comprimido e qualquer infecção respiratória pode ser mais grave, que é justamente o que o covid e a Influenza podem fazer”, explica Fernando Prado, médico ginecologista e especialista em reprodução humana.

O médico lembra ainda que a falta da vacina na gestação pode trazer mais riscos para os bebês.

“A gente nota um aumento de partos prematuros em mães que tiveram covid durante a gravidez, mas também a gente pode ver casos de restrição de crescimento, que são bebês que crescem menos que o esperado para a fase da gravidez. E aí vem a grande vantagem da vacina, porque ela evita que as formas se tornem mais letais, mais graves, reduz bastante o risco de internação e acaba protegendo a grávida e o bebê também”, afirma.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Deltacron: universidade identifica 25 casos de variante que combina a delta com a ômicron
Bolsonaro nega pressão sobre o Exército e minimiza a crise por causa da recomendação de vacinação de militares
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde