Terça-feira, 28 de Maio de 2024

Home Polícia Brigadianos investigados por morte de jovem na Fronteira-Oeste são transferidos para prisão em Porto Alegre

Compartilhe esta notícia:

O sargento e os dois soldados da Brigada Militar (BM) investigados por participação na morte do recruta do Exército Gabriel Marques Cavalheiro, 18 anos, foram transferidos neste sábado (20) para Porto Alegre. Eles estão presos preventivamente desde a sexta-feira, quando o corpo do jovem foi encontrado em açude na zona rural de São Gabriel (Fronteira-Oeste), cinco dias após entrar em uma viatura com o trio após abordagem policial.

Eles também tiveram seus celulares recolhidos e foram submetidos a audiência de custódia antes de serem levados para a capital gaúcha. As armas e viaturas utilizadas na ação também serão periciadas. Seus nomes não foram divulgados pelas autoridades, que se limitou a informar suas patentes e o fato de estarem há vários anos na corporação.

Em coletiva de imprensa no fim da tarde da sexta-feira (19), a BM forneceu alguns detalhes da investigação. O governador Ranolfo Vieira Júnior (que já foi delegado da Polícia Civil e titular da Secretaria da Segurança Pública) também se manifestou através das redes sociais: “Determinei a exaustiva apuração de todos os fatos”.

O caso motivou a abertura de duas investigações que correm em paralelo. Uma é o inquérito policial-militar (IPM), aberto na segunda-feira passada (15), quando o jovem ainda era considerado desaparecido e alvo de buscas. Já a outra tem como âmbito a Polícia Civil de São Gabriel.

Após exame necropsial realizado na manhã deste sábado, o Instituto-Geral de Perícias (IGP) informou prazo de até 30 dias para conclusão do laudo sobre a causa do óbito. O corpo foi liberado em seguida.

Inicialmente restrito a familiares, o velório começou às 16h e à noite foi liberado ao público. A cerimônia avança até a manhã deste domingo, com sepultamento previsto para as 8h30min no Cemitério de São Gabriel, apesar de a vítima ser moradora de Guaíba (Região Carbonífera).

O que se sabe

Morador de Guaíba (Região Carbonífera), o jovem estava desde o começo do mês em São Gabriel – onde tem parentes – para iniciar o cumprimento do serviço militar. Na noite de sexta-feira (12), ele saiu da casa de um familiar para ir ao encontro de duas amigas.

Ao tentar ingressar no pátio de uma residência, sua presença foi alertada pelo latido dos cães e assustou a proprietária, que não o conhecia e então acionou o telefone 190. Minutos depois, três brigadianos desceram de uma viatura e iniciaram abordagem, à qual Gabriel resistiu.

Gravação feita com telefone celular por uma testemunha mostra que ele foi agredido, algemado e conduzido até a localidade de Lava Pé, situada a 2 quilômetros dali. Nunca mais seria visto com vida.

Os policiais alegaram que o próprio jovem pediu para ser deixado na área onde há o açude, com o suposto argumento de que outros parentes moravam por ali. Registros de monitoramento por GPS da BM mostram que a viatura que transportava o guaibense permaneceu quase 2 minutos no local.

De acordo com o comando da corporação, o procedimento do trio não seguiu o padrão a ser adotado para esse tipo de ocorrência: “O protocolo é levar o cidadão para avaliação médica e conduzir a uma delegacia ou casa prisional”.

(Marcello Campos)

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Polícia

Grupo de mães realiza protesto contra incidente que resultou na morte de jovem em São Gabriel
Filha de guru do presidente da Rússia morre em explosão de carro
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde