Sábado, 21 de Maio de 2022

Home em foco Bulgária perde a luta contra a covid com a maior taxa de mortes pela doença por habitante da União Europeia

Compartilhe esta notícia:

As estatísticas são sombrias: a Bulgária tem a maior taxa de mortalidade por covid da União Europeia (EU) por milhão de habitantes. No entanto, a maioria dos búlgaros ainda não está disposta a se vacinar contra o coronavírus.

O país tem a menor taxa de imunização da UE. Estima-se que pouco menos de 29% da população esteja totalmente vacinada. Além disso, há manifestações antivacinas constantes. O país do sudeste europeu parece estar perdendo a batalha contra o coronavírus.

No dia 12 de janeiro, centenas de cidadãos se reuniram na praça em frente ao parlamento búlgaro na capital, Sofia, para protestar contra o chamado “passaporte verde”. Introduzido na Bulgária em outubro de 2021, o documento comprova se a pessoa está vacinada contra covid, recuperada da doença ou se tem um teste negativo recente.

O passaporte é exigido para entrar em restaurantes, bares e shoppings. Muitos também precisam do documento para trabalhar.

No protesto, uma manifestante fez um discurso que viralizou na internet e nas redes sociais. “Não direi meu nome, caso contrário, aqueles que se sentam no parlamento me perseguirão”, gritou. “Estudei biologia por seis anos, então sei que as vacinas contra o coronavírus não são vacinas! São coquetéis experimentais que contêm um chip e coisas que destroem nossa liberdade. São controladas por sistemas 5G. Ninguém deve ser vacinado!”.

Como a maioria dos manifestantes, a mulher é apoiadora do Vazrazhdane (Renascimento), um partido nacionalista cético em relação à covid que chegou ao parlamento búlgaro pela primeira vez nas eleições de novembro passado, com quase 5% dos votos.

Pressão na saúde 

O matemático Petar Velkov participa frequentemente de debates na TV com membros de Vazrazhdane e outros negacionistas da pandemia e céticos das vacinas. Ele tenta convencer seus compatriotas sobre a necessidade da imunização. É uma tarefa difícil.

“Em outros países, as medidas de vacinação e proteção contra a nova onda deram aos profissionais de saúde uma pausa muito necessária, com hospitalizações e mortes permanecendo em um nível relativamente baixo. Não foi o caso da Bulgária”, disse Velkov à DW.

Ele explica que a nova onda da variante ômicron está atingindo o país em um momento em que o sistema de saúde já está sob extrema pressão.

“Na Bulgária, quando a nova onda começou, estávamos vendo cerca de cinco a seis vezes mais hospitalizações do que no início das ondas anteriores. É por isso que as unidades de terapia intensiva já enfrentam problemas”.

Políticos antivacinas

Apesar dos níveis recordes de infecção atuais e da alta taxa de mortalidade, muitos búlgaros ainda acreditam que a vacina contra covid-19 é mais perigosa do que a própria doença. “Menos de 30% dos adultos na Bulgária estão vacinados”, disse Dimitar Ganev, pesquisador de opinião do instituto de pesquisa Trend. “Há 20% que não estão vacinados, mas pretendem tomar a vacina. E cerca de 50% se opõem à vacinação”.

O Vazrazhdane se beneficia desse ceticismo. “Quase 70% dos búlgaros também se opõem ao passaporte verde”, explica Ganev. “A campanha contra o passaporte de vacinação permitiu que Vazrazhdane entrasse no parlamento”.

O partido eurocético e pró-Kremlin foi fundado em 2014, mas até recentemente nunca havia conseguido superar a barreira dos 4%. A esmagadora maioria das pesquisas realizadas antes das eleições de novembro de 2021 não previu sua entrada no parlamento.

Durante os protestos de 12 de janeiro, os deputados do Vazrazhdane tentaram permitir a entrada dos manifestantes antivacinas no Parlamento. No entanto, apenas alguns dias antes, uma investigação jornalística revelou que um terço dos parlamentares do Vazrazhdane estavam, de fato, vacinados. O líder do partido, Kostadin Kostadinov, descreveu repetidamente a vacina como um “líquido experimental”. Agora, porém, ele está recuando, dizendo que apoia a liberdade de escolha pela vacinação – inclusive para membros de seu partido.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

Ciro Gomes e Lula disputam apoio de Marina Silva para as próximas eleições
Manifesto de 450 auditores fiscais chama de ‘irresponsável’ declaração do ministro Ônix Lorenzoni sobre os fiscais da Receita Federal
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News