Quarta-feira, 29 de Maio de 2024

Home em foco China já conquistou “controle total” de Hong Kong e quer fazer o mesmo em Taiwan, diz Xi Jinping

Compartilhe esta notícia:

Na abertura do congresso que deve confirmar seu terceiro mandato, o presidente da China, Xi Jinping, afirmou que quer o controle total de Taiwan e que o direito de usar a força na ilha autogovernada não será renunciado.

“A resolução de Taiwan é uma questão para os próprios chineses decidirem. Insistimos em lutar pela perspectiva de uma reunificação pacífica com a maior sinceridade e com o maior esforço”, discursou.

O presidente chinês também disse que a China alcançou controle total sobre Hong Kong, o que, para ele, mudou a situação na cidade “do caos para a governança”.

No domingo (16), Xi Jinping abriu oficialmente o 20º Congresso do Partido Comunista, a reunião de mais de 2 mil membros do partido único que comanda a China e que acontece a cada cinco anos. É no encontro que o líder chinês é escolhido – o país não tem eleições diretas para presidente.

No fim do congresso, no próximo sábado (22), um terceiro mandato de Xi à frente do país deve ser confirmado, o que o tornará o líder mais longevo e poderoso da China desde Mao Tsé-Tung.

No discurso deste domingo, mais enxuto – durou 1h45, a metade do tempo do pronunciamento de Xi no último congresso, em 2017 – o presidente chinês sinalizou que a segurança nacional e a luta por dominar Taiwan devem ser a prioridade de seu eventual terceiro mandato. Pequim reivindica que o território taiwanês, uma ilha autogovernada, é parte de seu território.

Com poucas referências à economia, afetada pela pandemia e por sua rígida política de “Covid zero”, Xi Jinping defendeu sua atuação para conter o vírus no país. As medidas do líder chinês, criticadas até pela Organização Mundial de Saúde (OMS), ainda estão em vigor e preveem períodos longos de confinamento total quando apenas uma infecção é detectada.

Em cidades como Xangai, ruas inteiras e condomínios foram isolados com tapumes, e houve denúncias de que funcionários de saúde entraram nas casas de moradores para fazer testes de Covid à força. O governo nega.

Taxas de natalidade

No pronunciamento, Xi também falou da polêmica política de controle de natalidade do país. Ele disse que seu governo adotará políticas para aumentar a taxa de nascimentos, em declínio após décadas da chamada “política de filho único” no país, que estabelecia multas a casais que tivessem mais de um filho.

“Vamos estabelecer um sistema de políticas para aumentar as taxas de natalidade e buscar uma estratégia nacional proativa em resposta ao envelhecimento da população”, discursou.

Xi Jinping não mencionou diretamente a guerra da Rússia na Ucrânia – seu governo é aliado do presidente russo, Vladimir Putin –, mas disse que o mundo atual enfrenta “testes severos”.

Reação de Taiwan

Em reação ao discurso do líder chinês, o gabinete presidencial de Taiwan disse que não vai recuar em sua soberania e na luta pela liberdade e democracia, e que seu povo se opõe claramente à ideia de Pequim de “um país, dois sistemas” de gestão para a ilha.

No pronunciamento, Xi Jinping reiterou a posição chinesa contra a independência da região, acrescentando que criticava “os separatistas e suas atividades, e não os compatriotas de Taiwan em geral”.

Manter a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan e na região é responsabilidade comum de ambos os lados, disse o gabinete presidencial de Taiwan em comunicado.

Em agosto, Taiwan foi o epicentro de uma das maiores crises diplomáticas entre Estados Unidos e China da última década. A ilha é um dos territórios mais indefinidos do atual cenário geopolítico mundial – e um dos mais estratégicos para potências mundiais.

A visita da presidente da Câmara dos Deputados dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, à ilha, foi vista como uma provocação por Pequim, que considera Taiwan parte de seu território. O governo chinês respondeu com diversos exercícios militares que invadiram o espaço aéreo e o marítimo de Taipei.

Na declaração, o escritório do presidente de Taiwan também afirmou que “o encontro no front de batalha não é uma opção”.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de em foco

França vai treinar 2.000 soldados ucranianos em seu território
Governo da Alemanha pede ampliação da União Europeia para o leste
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias