Quinta-feira, 19 de Maio de 2022

Home Saúde Cientistas desenvolvem exame de sangue capaz de prever risco de depressão na gestação ou no pós-parto

Compartilhe esta notícia:

Pesquisadores americanos acharam no sangue de mulheres grávidas 15 marcadores biológicos que podem prever em até 83% o risco de depressão durante a gestação ou no pós-parto. Isso significa que, a partir de um tipo de exame de sangue, seria possível prever o risco de depressão perinatal.

A descoberta feita por cientistas do Instituto Van Andel e da Universidade Estadual de Michigan foi publicada no periódico Translational Psychiatry, publicação da renomada revista científica Nature.

A gravidez gera uma série de alterações no corpo feminino e uma delas ocorre no sistema imunológico, que muda para facilitar o desenvolvimento do feto. Essas modificações provocam flutuações na produção de fatores pró-inflamatórios e interferem, por exemplo, nos níveis de triptofano, um aminoácido essencial não produzido em nosso corpo, que está ligado ao combate da depressão e ansiedade. Os pesquisadores sinalizam no estudo que as gestantes podem, portanto, sofrer de um tipo específico de depressão induzida por inflamação.

“A gravidez é um evento inflamatório. Essas inflamações vão aumentando de acordo com a evolução da gravidez. Esse processo desencadeia algumas substâncias que podem aumentar o risco de depressão. Quanto mais fortes são as inflamações, mais substâncias que levam à depressão são produzidas”, explica Fernando Prado é especialista em Reprodução Humana, Membro da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva (ASRM) e diretor clínico da Neo Vita.

Um estudo revisional anterior, feito por pesquisadores do Research Triangle Institute, da Carolina do Norte, mostrou que cerca de 20% das grávidas desenvolvem depressão entre o início da gestação até três meses depois do nascimento dos filhos. Isso significa que uma a cada cinco mulheres apresentam sintomas de depressão perinatal.

As descobertas do novo estudo poderão impactar no acompanhamento pré-natal. A partir dos achados desse estudo será possível desenvolver um exame de sangue para acompanhar os níveis dos biomarcadores encontrados pelos cientistas.

“Criar um exame desses não é algo complexo de se fazer. Esse tipo de teste só não existe ainda porque ninguém nunca tinha estabelecido uma relação desses marcadores biológicos com a depressão. A partir de agora, será possível sim fazer esta dosagem no sangue, observar se as concentrações estão alteradas e prever se a gestante tem mais risco de desenvolver a depressão. E, em caso positivo, já iniciar o tratamento repondo alguns nutrientes e vitaminas e, nos casos mais graves, até mesmo usar antidepressivos”, afirma o obstetra.

Começar a tratar uma depressão com métodos não medicamentosos antes do agravamento dos sintomas é essencial para assegurar a saúde da mãe e do bebê. Atualmente, os inibidores seletivos da recaptação da serotonina (ISRSs) são os remédios mais comumente usados no tratamento da depressão relacionada à gravidez.

No entanto, este tipo de terapia tem se mostrado eficaz em apenas 50% dos pacientes. Além disso, os ISRSs estão associados a certos riscos durante a gravidez, como a síndrome de abstinência neonatal e hemorragia pós-parto na mãe. Médicos e mães podem, portanto, relutar em usar ISRSs, deixando essa condição sem ou subtratada.

Estudo
Segundo os pesquisadores, a depressão não é uma condição que envolve apenas as estruturas do cérebro: suas “impressões digitais” estão em todo o corpo, inclusive em nosso sangue.

O estudo está entre os primeiros de seu tipo e acompanhou 114 voluntárias, com idade média de 26 anos, atendidas nas Clínicas de Obstetrícia e Ginecologia da Spectrum Health durante toda a gravidez. Nenhuma delas tinha sintomas depressivos ou psicóticos antes de entrar no estudo, nem histórico de abuso de substâncias. As participantes forneceram amostras de sangue e foram submetidas a avaliações clínicas para sintomas depressivos em cada trimestre e no período pós-parto.

A gestação e o pós-parto analisados pelos pesquisadores foram divididos em quatro períodos: 1º, 2º e 3º trimestre de gravidez e os três primeiros meses pós parto. Os cientistas descrevem que 37 das 114 mulheres — ou seja, 32% das voluntárias — apresentaram sintomas depressivos significativos em um ou mais momentos e 12 mulheres (10,5%) receberam um diagnóstico formal depressão perinatal.

O número de mulheres com sintomas depressivos significativos foi maior no primeiro trimestre (19,3%), diminuindo um pouco no segundo (13,6%), voltando a aumentar no terceiro trimestre (15,8%), ou seja, reta final da gravidez. O percentual no pós-parto ficou em 14,1%.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Maiara e Maraísa cancelam turnê “Festival das Patroas”, anunciada um mês antes da morte de Marília Mendonça
Uber lança recurso que informa quantas estrelas passageiros receberam de motoristas
Deixe seu comentário
Pode te interessar
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa News