Quinta-feira, 18 de Julho de 2024

Home Saúde Descubra qual é o tipo de cochilo mais saudável

Compartilhe esta notícia:

“Houve um tempo em que íamos para a cama à noite e acordávamos com as galinhas”, lembra o neurocientista Matthew Walker em seu livro Porque Dormimos.

Agora, lamenta, o despertador continua a tocar ao cantar do galo, mas quando cai a noite, a jornada de trabalho mal acabou e ainda há um bom tempo acordados noite adentro pela frente.

Sono bifásico

A sociedade moderna, argumenta Walker, afastou os humanos do padrão de sono para o qual foram geneticamente programados: sono bifásico, um longo período noturno e um curto período durante o dia.

“Todos os humanos, independentemente de sua cultura ou localização geográfica, sofrem um declínio geneticamente codificado em seu estado de alerta no meio da tarde”, defende.

Sono bifásico e alimentação saudável são chaves para uma vida longa
E a soneca é a resposta natural a esse fenômeno. O neurocientista assegura que as sociedades que incorporaram os cochilos aos seus hábitos foram descritas como lugares onde as pessoas se esquecem de morrer. A prática do sono bifásico natural e uma alimentação saudável parecem ser as chaves para uma vida longa, afirma o especialista.

Impacto

A soneca impacta na saúde. Positiva e negativamente. A comunidade científica ainda não tem clareza sobre a extensão de sua influência ou até que ponto o hábito pode moldar a saúde, mas os dados fornecidos pela pesquisa médica a esse respeito apontam em duas direções: o quão pouco as pessoas gostam e o quanto isso as torna doente.

Um estudo publicado há poucos dias na revista Obesity apontou, justamente, que o risco de obesidade aumenta em 23% quando os cochilos são longos; em vez disso, as pessoas que cochilam por um curto período de tempo têm um risco menor de pressão alta. Os especialistas consultados concordam que uma soneca curta (menos de 30 minutos), no sofá e não na cama, ao meio-dia ou no início da tarde, pode ser reconfortante e ajuda a melhorar a atenção.

Cada soneca é um mundo. Na comunidade científica, onde há muita controvérsia sobre esse tópico, muitas vezes com estudos prós e contras sobre a mesma variável, os pesquisadores aprenderam a ajustar a leitura com base na duração da soneca e no grupo populacional específico em estudo: Um cochilo no sofá não é o mesmo que várias horas de sono na cama no meio da tarde; tampouco uma soneca em uma pessoa com histórico anterior de obesidade é a mesma de um indivíduo saudável, ou em um adulto jovem do que em uma pessoa mais velha.

“Chamamos de cochilo quando a pessoa dorme curtos períodos durante o dia. Por exemplo, recomendamos cochilos preventivos de 10 minutos para uma pessoa com narcolepsia e pacientes com apneia do sono também precisam tirar um cochilo para serem ativos; os insones estão loucos para tirar uma soneca, mas não conseguem”, explica Francesca Cañellas, membro do grupo de trabalho sobre insônia da Sociedade Espanhola do Sono.

Sono

Cada fase da vida tem seu próprio ciclo de sono: os adolescentes, por exemplo, precisam de mais horas de sono, e os idosos, por outro lado, têm um padrão de sono noturno mais fragmentado. Uma revisão científica afirma que, em adultos jovens, uma soneca de cerca de 20 minutos tem efeitos positivos imediatos sobre o estado de alerta e não afeta o sono noturno; em pessoas mais velhas, cochilos de meia hora também não têm consequências para dormir à noite, mas cochilos longos sim. É por isso que se recomenda na velhice que, se forem feitas sonecas, sejam curtas e reforcem os ciclos circadianos, explica Cañellas. Ou seja, respeite os tempos do relógio biológico e se exponha ao sol durante o dia para que o corpo saiba que tem que estar ativo.

Saúde metabólica

O estudo publicado na Obesity, realizado com 3.300 espanhóis, investigou a influência das sonecas na saúde metabólica e encontrou uma associação entre a duração desses momentos de descanso e alguns indicadores metabólicos: quem cochilava muito — mais de 30 minutos — tinha um índice de massa corporal (IMC) 2% maior do que aqueles que não dormiram e o risco de obesidade foi aumentado em 23%; em contraste, aqueles que tiraram cochilos curtos (menos de meia hora) tiveram um risco 21% menor de ter pressão arterial sistólica alta.

“Só está associado à obesidade se a soneca for longa: o risco de obesidade aumenta em 23% e a síndrome metabólica em 40%”, esclareceu Marta Garaulet, autora do estudo e professora de Fisiologia da Universidade de Múrcia.

A pesquisadora e sua equipe também analisaram outros hábitos de vida que permeiam a associação entre longos cochilos e pior saúde metabólica e descobriram que aqueles que tiravam cochilos mais longos também fumavam mais e adiavam comer, se exercitar e dormir. Também aqueles que tiravam longos cochilos tendiam a fazê-lo na cama, em vez de no sofá ou poltrona.

“Se você dormir na cama, há uma associação com mais hipertensão do que se você ficar no sofá. Parece que tem a ver com alterações posturais, mas não temos certeza disso”, aponta a pesquisadora, que também é professora visitante da Universidade de Harvard.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Saúde

Dependência digital: um de cada quatro adolescentes brasileiros faz uso excessivo de videogame
Paula Toller fala sobre nova turnê e por que o diabetes a fez repensar o Kid Abelha
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Pampa Na Tarde