Quarta-feira, 24 de Julho de 2024

Home Rio Grande do Sul Dívida do Rio Grande do Sul: audiência no Supremo fica sem acordo, e o governo federal vai repassar R$ 680 milhões

Compartilhe esta notícia:

Terminou sem acordo a primeira audiência de conciliação no STF (Supremo Tribunal Federal) sobre a dívida do Rio Grande do Sul com a União, nesta terça-feira (25). Uma nova rodada de tratativas será feita daqui a 45 dias.

Convocada pelo ministro Luiz Fux, a mesa de negociação foi aberta em ação que busca uma possível anistia à dívida de cerca de R$ 100 bilhões do Estado, afetado depois das enchentes em maio.

De concreto, ficou decidido que o Estado e os municípios vão receber do governo federal uma antecipação de R$ 680 milhões, referentes a compensações do ICMS a que já teriam direito para o ano que vem.

O montante seria usado para abater a dívida gaúcha, e agora será pago em dinheiro. Do total, R$ 510 milhões vão para o caixa do governo do Estado; o restante, para os municípios.

Outro avanço da reunião foi a antecipação do pagamento de precatórios de cerca de R$ 5 bilhões. A audiência foi conduzida pelo ministro Luiz Fux em seu gabinete no STF. Participaram o ministro Paulo Pimenta (Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio Grande do Sul) e o AGU (advogado-geral da União) Jorge Messias, representando o governo federal.

Também estiveram presentes o governador Eduardo Leite (PSDB) e Leonardo Lamachia, presidente da seccional gaúcha da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil). A entidade é a autora da ação no STF que discute o tema.

“Longe das necessidades”

Leite considerou as tratativas como um “avanço” mas “muito longe de satisfazer as necessidades” do estado. Ele saudou a abertura de diálogo com a União sobre o assunto. “O que se apresentou foi antecipação de obrigações da União. Não há nada de novo colocado à mesa”, disse o governador.

“É importante, ajuda a ativar a economia do Estado, sem dúvida nenhuma, mas não é recurso ao ente federativo, o Estado, que mantém essa fragilidade na capacidade de sustentação dos serviços essenciais da população, especialmente na calamidade”, afirmou.

Leite disse que terá uma reunião com o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, e que tem expectativa de “avanços”. Segundo Paulo Pimenta, a ajuda do governo federal vai “irrigar a economia gaúcha, ajudando na atividade econômica do Estado, na manutenção dos empregos”.

Jorge Messias ressaltou que a dívida do estado com a União está suspensa e os juros, congelados. “É importante dizer que a atenção do governo federal neste momento, ela está voltada para socorrer não só ao Estado, mas aos municípios, às pessoas e às empresas”, afirmou o AGU.

“Então, é um esforço superior a R$ 90 bilhões, que o governo federal já fez, e o compromisso do governo do presidente Lula é seguir dialogando com o Estado, com os municípios, para atender o que for possível e necessário para a retomada imediata da vida normal no Estado do Rio Grande do Sul”.

Entenda

A discussão foi chamada por Fux em ação movida pela OAB em que a entidade pede a extinção da dívida do Rio Grande do Sul, argumentando ser uma medida humanitária diante dos danos causados pelas enchentes.

Por causa dos estragos causados pelas enchentes, o pagamento da dívida está suspenso por um período de três anos. No processo, a AGU contestou a proposta de extinguir a dívida. O órgão disse que o governo federal já apresentou um pacote de flexibilização de regras fiscais para auxiliar o estado.

No fim de maio, o presidente da OAB-RS, Leonardo Lamachia, se reuniu com Fux e falou sobre as perícias que apontam um suposto erro no índice de correção monetária que vem sendo aplicado sobre o débito.

A perícia, feita por especialistas da Universidade Estadual de Campinas e anexada aos autos da ação, diz que o valor original da dívida já foi praticamente quitado, e que a sobra se refere apenas à aplicação de juros sobre juros. O recálculo reduziria o saldo em 70%.

A ação no Supremo sobre a dívida do RS é de 2012, ou seja, anterior à tragédia climática. No processo, a AGU já havia dado um parecer argumentando que o estado, ao assinar o contrato da dívida com a União, anuiu com os índices de correção.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Rio Grande do Sul

EPTC registra 1.591 vistorias em veículos usados para transportar passageiros em Porto Alegre
Para especialistas, lei ambiental gaúcha agrava futuros desastres
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Atualidades Pampa