Terça-feira, 16 de Abril de 2024

Home Economia Economista Gabriel Galípolo será o número 2 de Haddad no Ministério da Fazenda; saiba mais sobre o escolhido

Compartilhe esta notícia:

O futuro ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou nessa terça-feira (13) o nome do economista Gabriel Galípolo como secretário-executivo do Ministério da Fazenda a partir de 2023. Haddad confirmou a escolha após reunião com o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. Segundo Haddad, o encontro foi “ótimo”. Mais cedo, ele já havia se reunido com o atual ministro da Economia, Paulo Guedes.

Mestre em economia pela PUC-SP, Galípolo é o primeiro nome da equipe da Fazenda confirmado por Haddad. O economista, especialista em parcerias público-privadas (PPPs), tem passagem tanto pelo setor público como pelo privado.

Ele é apontado por colegas como um negociador habilidoso com trânsito no setor empresarial e financeiro que gosta de trabalhar em equipe. Para um economista da Unicamp que o conhece, Galípolo está longe de ser um liberal como Paulo Guedes, mas também não é um radical à esquerda.

O próximo número dois da Fazenda já foi chefe da Assessoria Econômica da Secretaria de Transportes Metropolitanos do Estado de São Paulo (2007) e diretor de Estruturação de Projetos da Secretaria de Economia e Planejamento do Estado de São Paulo (2008).

Ex-presidente do Banco Fator, entre 2017 e 2021, ele é professor da UFRJ, pesquisador do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e conselheiro da Fiesp.

Para o economista-chefe do Fator, José Francisco de Lima Gonçalves, o fato de Galípolo ter atuado no setor público, na academia e na área financeira é uma vantagem na articulação política. “Essa experiência dá uma visão menos ingênua na execução política”, diz Gonçalves.

Galípolo também é co-autor do livro “Manda Quem Pode, Obedece Quem tem Prejuízo”, lançado pela Editora Contracorrente, sobre o funcionamento do mercado financeiro e a relação da economia com a política.

Ele foi convidado para integrar a equipe da Fazenda por Haddad no final de semana, mas apresentava resistências em aceitar o cargo. Antes, estava cotado para presidir o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), posto que ficará com o coordenador do programa de governo de Lula, o economista e ex-ministro Aloizio Mercadante. Uma “operação” que envolveu interlocutores do próprio presidente eleito foi montada para Galípolo ficar com o cargo.

O economista começou a despertar mais atenção em novembro, quando acompanhou a deputada federal Gleisi Hoffmann, presidente do Partido dos Trabalhadores, em um jantar com empresários em São Paulo, promovido pelo grupo Esfera Brasil.

Sua presença foi interpretada como uma tentativa do partido de buscar um discurso menos radical na economia, com Galípolo se empenhando em reduzir a tensão entre Lula e parte do setor financeiro. O economista é próximo ao PT há mais de dez anos. Em 2010, colaborou na construção do plano de governo do ex-ministro Aloizio Mercadante.

Durante a campanha eleitoral, Galípolo tornou-se um dos principais interlocutores da campanha petista com o mercado, principalmente em relação às questões fiscais e o tamanho da licença para gastar que seria necessária no início do governo caso Lula fosse eleito.

Ele já disse ver com cautela a independência do Banco Central e o teto de gastos. Para ele, o País não deveria ter um regime fiscal pró-cíclico, ou seja, que acaba acentuando o ciclo econômico para o bem ou para o mal. Assim, o mais indicado, por exemplo, quando a economia piora, seria expandir os gastos públicos e não cortar, como exige o teto. Nas suas palavras, o teto ruiu, e é preciso pensar em uma regra fiscal que consiga ter um horizonte temporal mais amplo.

Compartilhe esta notícia:

Voltar Todas de Economia

Primeira ordem de Lula a chefes das Forças Armadas será acabar com atos bolsonaristas em quartéis
Saiba quem é o indígena preso pela Polícia Federal por causa de atos antidemocráticos
Deixe seu comentário
Baixe o app da RÁDIO Pampa App Store Google Play

No Ar: Show de Notícias